Mantida a condenação de réu flagrado em aeroporto com ouro escondido nos sapatos

Data:

outo nos sapatos
Créditos: bodnarchuk / iStock

A Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região manteve a decisão de primeiro que condenou um homem que foi flagrado pelo detector de metais do Aeroporto Internacional de Marechal Rondon, no Município de Várzea Grande/MT, ao tentar embarcar, com destino a Foz do Iguaçu/PR, levando 441,16 gramas de ouro em pequenas placas, escondidas em seus sapatos, sem a devida documentação acerca da origem do metal.

Em seu recurso para atacar a sentença, do Juízo Federal da 5ª Vara da Seção Judiciária de Mato Grosso, o réu alegou que desconhecia que o ouro, por ele adquirido, teria sido produzido ou explorado sem autorização legal.

Ao verificar o caso, o relator, desembargador federal Ney Bello, ressaltou que não há dúvidas quanto à materialidade e à autoria do crime, tendo em vista que o réu tinha conhecimento da ilicitude do fato, já que o mesmo agiu de forma livre, deliberada e ciente da ilegalidade da conduta.

Segundo o magistrado Ney Bello, não existe qualquer credibilidade na alegação de desconhecimento dos procedimentos e documentações necessárias à comprovação de que o mineral tem origem legal, uma vez que consta no processo que o acusado exerce a profissão de ourives há quase 30 (trinta) anos.

O desembargador federal destacou, também, que o fato de o acusado esconder o ouro em seus sapatos confirma que ele tinha claro entendimento da origem ilegal do metal que transportava.

Desta forma, o Colegiado, nos termos do voto do relator, manteve a condenação do acusado às penas de um ano de detenção e dez dias-multa pela prática do crime previsto no art. 2º, § 1º, da Lei nº 8.176/91: constitui crime contra o patrimônio, na modalidade de usurpação, produzir bens ou explorar matéria-prima pertencentes à União sem autorização legal ou em desacordo com as obrigações impostas pelo título autorizativo.

Processo nº: 0004008-60.2016.4.01.3600/MT

(Com informações do Tribunal Regional Federal da 1ª Região - TRF1)

EMENTA:

PENAL E PROCESSUAL PENAL. APELAÇÃO CRIMINAL. RÉU FLAGRADO TRANSPORTANDO MATÉRIA PRIMA (OURO) DA UNIÃO. CRIME DE USURPAÇÃO DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO. MATERIALIDADE E AUTORIA COMPROVADAS. DOLO DEMONSTRADO. ERRO DE TIPO NÃO CONFIGURADO. DOSIMETRIA MANTIDA. APELAÇÃO DO RÉU NÃO PROVIDA.

1.O tipo penal do art. 2º, § 1º, da Lei nº 8.176/91 caracteriza crime formal, de perigo abstrato, que se consuma independentemente da ocorrência de resultado naturalístico, já que o bem protegido é o patrimônio da União. A verificação de eventual dano efetivo é mero exaurimento do delito em questão. Ele não exige para sua configuração que as condutas sejam praticadas com finalidade lucrativa.

2.Materialidade e autoria comprovadas. Negativa de dolo que não encontra respaldo nos autos. O réu tinha conhecimento da ilicitude do fato, de sorte que agiu de forma livre, deliberada e ciente da ilicitude da conduta. Erro de tipo não caracterizado. Condenação mantida.

3.Dosimetria mantida porque em conformidade com as diretrizes dos arts. 59 e 68, ambos do Código Penal.

4.Apelação do réu não provida.

(TRF1 - APELAÇÃO CRIMINAL N. 0004008-60.2016.4.01.3600/MT - RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL NEY BELLO APELANTE : EDISON ROSA PEREIRA DEFENSOR COM OAB : ZZ00000001 - DEFENSORIA PUBLICA DA UNIAO - DPU APELADO : JUSTICA PUBLICA PROCURADOR : PEDRO MELO POUCHAIN RIBEIRO. Data de julgamento: 12/11/2019. Data da publicação: 27/11/2019)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Funcionário dos correios é condenado por lavagem de dinheiro do tráfico

Um funcionário dos Correios foi mantido em sua condenação por lavagem de dinheiro e associação a organização criminosa relacionada ao tráfico de drogas, decidido de forma unânime pela Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5. A pena estabelecida foi de seis anos e seis meses de reclusão, a ser inicialmente cumprida em regime semiaberto, além de multa.

Criptomoedas: sócios da Braiscompany são condenados a 150 anos de prisão por esquema de R$ 1 bi

A Justiça Federal emitiu uma sentença condenatória contra o casal proprietário da Braiscompany, um esquema criminoso envolvendo criptomoedas acusado de movimentar ilegalmente mais de R$ 1 bilhão, impondo-lhes uma sentença combinada de aproximadamente 150 anos de prisão por crimes contra o sistema financeiro nacional e a economia popular. Esta decisão está sujeita a recurso.

Fuga de presos do Presídio Federal de Mossoró-RN é o primeiro caso no sistema

Dois detentos escaparam da Penitenciária Federal de Mossoró, nesta quarta-feira (14), marcando o primeiro incidente desse tipo na história do sistema penitenciário federal, que engloba cinco presídios de segurança máxima.

Abandono de incapaz: pai condenado por deixar filho sozinho tem sentença mantida pelo TJSP

A 5ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou uma decisão da 1ª Vara de Penápolis, proferida pelo juiz Vinicius Gonçalves Porto Nascimento, que condenou um homem por abandono de incapaz. A pena, estabelecida em oito meses de detenção em regime aberto, foi substituída pela obrigação de pagar um salário-mínimo a uma entidade indicada pelo juízo de execução.