STF cassa vínculo de emprego entre corretor e MRV Engenharia

Data:

STF cassa vínculo de emprego entre corretor e MRV Engenharia | Juristas
Brasília (DF), 30/06/2023 - O ministro Kássio Nunes Marques durante sessão que retoma o julgamento da ação (Aije nº 0600814-85) que pede a inelegibilidade de Jair Bolsonaro e de Walter Braga Netto, candidatos à Presidência da República nas Eleições 2022. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), anulou uma decisão da Justiça do Trabalho que havia reconhecido o vínculo de emprego entre um corretor de imóveis e a MRV Engenharia e Participações Ltda. Na Reclamação (RCL61514), o ministro determinou que uma nova decisão seja proferida, conforme o entendimento da Corte.

A questão teve origem em uma ação movida por um corretor de imóveis de Porto Alegre (RS) que buscava o reconhecimento de um vínculo de emprego com a construtora. Ele afirmou ter trabalhado como vendedor de imóveis da MRV entre junho de 2014 e janeiro de 2018 e pediu a anotação na carteira de trabalho e o pagamento de verbas trabalhistas.

Bem imóvel - MRV Engenharia
Créditos: Chalirmpoj Pimpisarn / iStock

O pedido foi aceito em primeira instância, que considerou que os requisitos para a relação de emprego, conforme o artigo 3º da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), estavam presentes. Essa decisão foi mantida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4), e o recurso de revista da empresa foi negado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST).

No STF, a MRV argumentou que havia celebrado um contrato de prestação de serviços de corretagem imobiliária com o corretor como autônomo, conforme a Lei 6.530/1978. Alegou que a Justiça do Trabalho não levou em consideração esse contrato e presumiu que a negociação era ilícita, sem comprovar fraude. A empresa alegou que isso violava a jurisprudência do STF, que permite formas alternativas de trabalho além do emprego.

Engenheiro que atuava como parceiro de empresa não tem vínculo de emprego reconhecido
Créditos: FLUKY FLUKY / shutterstock.com

O ministro Nunes Marques, em sua decisão, observou que não havia indícios de que a contratação tinha a intenção de fraudar a relação de emprego. Ele lembrou que o STF, na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 324, reconheceu que a terceirização não resulta, isoladamente, na precarização do trabalho ou na violação de direitos previdenciários.

Ele também mencionou decisões anteriores da Corte que reconheceram a natureza civil da relação entre empresas e autônomos, além de validar contratos de parceria entre salões de beleza e autônomos. O ministro afirmou que, embora esses casos não fossem específicos para contratos de corretagem imobiliária, eles ilustram a validade de relações civis de prestação de serviços, conforme estabelecido na ADPF 324.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.