STJ: possível inclusão do sobrenome de padrinho em registro de nascimento

Data:

certidão de nascimentoNa última decisão da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), foi determinado que é viável realizar a alteração do registro de nascimento para incluir o sobrenome do padrinho ao nome, formando, assim, um primeiro nome composto. O colegiado considerou que a legislação permite a modificação do prenome sem exigência de motivação específica, o que inclui a inclusão de determinada partícula para formar um nome duplo ou composto.

O recurso especial de um homem foi acolhido pela turma, após ele ter ajuizado uma ação buscando retificar sua certidão de nascimento para incluir o sobrenome do padrinho em seu prenome. O pedido havia sido inicialmente negado em primeira instância e também pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT).

O relator do caso, ministro Marco Aurélio Bellizze, destacou que o nome é um direito fundamental estabelecido no Código Civil e que a legislação permite a alteração do prenome, sem a necessidade de justificativa, desde que respeitados os requisitos legais. Ele observou que a Lei de Registros Públicos foi alterada para permitir que a pessoa registrada, após atingir a maioridade civil, possa solicitar a mudança do prenome sem restrição temporal.

No caso em questão, a ação foi proposta dentro do prazo estabelecido pela legislação à época, entre os 18 e 19 anos. O ministro ressaltou que a solicitação não apresenta riscos à segurança jurídica ou a terceiros, e foi fornecida uma declaração do padrinho concordando com a inclusão do sobrenome.

Assim, a decisão da Terceira Turma do STJ reconheceu a possibilidade de incluir o sobrenome do padrinho no prenome do indivíduo, formando um nome composto, respeitando os requisitos legais e sem prejuízos à segurança jurídica.

Com informações do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Notícias, modelos de petição e de documentos, artigos, colunas, entrevistas e muito mais: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp.

Basta clicar aqui: https://bit.ly/zapjuristas

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.