Teste físico deve ser proporcional ao cargo, decide TJSC

Data:

Vaga era de auxiliar médico-legal, mas prova equivalia à de policiais

a pair of black headphones
Photo by Etactics Inc on Unsplash

A 1ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) decidiu que a exigência de exame físico em concurso público deve ser compatível com as especificidades do cargo. No caso analisado, um candidato foi reprovado por não completar a prova no tempo estipulado. O edital do concurso exigia que os candidatos percorressem 2.400 metros em 12 minutos no teste físico (teste de Cooper). O candidato, no entanto, percorreu apenas 1.800 metros no tempo determinado.

O teste era eliminatório. O candidato entrou com mandado de segurança para poder continuar nas próximas etapas do concurso para o cargo de auxiliar médico-legal do Instituto Geral de Perícias de Santa Catarina (IGP/SC). Ele argumentou que a exigência do teste físico era desproporcional para o cargo em questão. “A distância exigida no edital é a mesma para cargos na Polícia Militar e Polícia Civil”, destacou.

A Procuradoria-Geral do Estado argumentou que avaliar a capacidade cardiorrespiratória do candidato é relevante para as atribuições do cargo, especialmente no que se refere ao recolhimento e transporte de cadáveres. Além disso, a Procuradoria mencionou que a exigência do teste físico está prevista na Lei estadual n. 15.156/2010, e foi a Polícia Científica, órgão responsável por avaliar as necessidades do cargo, que estabeleceu a distância mínima. A comissão organizadora do concurso explicou que o teste de Cooper avalia a capacidade cardiorrespiratória, força e resistência dos membros inferiores, conforme a tabela estabelecida por Cooper em 1968.

A controvérsia foi discutida em primeira instância, onde o pedido foi negado. Uma decisão monocrática deu provimento à apelação. O Estado interpôs agravo interno. O desembargador relator manteve a decisão em apelação e destacou que o cargo de auxiliar médico-legal, embora exija esforço físico, não deve ser comparado a cargos com funções predominantemente físicas. “É ilógico exigir que um médico-legista tenha a mesma capacidade física de um agente policial, pois as atividades são extremamente diversas”, escreveu em seu voto. De acordo com a tabela de Cooper, a distância percorrida pelo candidato de 41 anos é considerada regular.

O magistrado citou decisões similares do Supremo Tribunal Federal (STF) e concluiu: “A decisão respeita a Constituição, no que se refere à necessidade de razoabilidade e proporcionalidade na exigência de teste de aptidão física em concurso para o cargo de auxiliar médico-legal, uma vez que as atividades do cargo não envolvem força bruta, mas técnica específica”. O voto foi seguido pelos demais membros da 1ª Câmara de Direito Público do TJSC (Apelação n. 5066687-87.2022.8.24.0023/SC).

(Com informações do TJSC - Tribunal de Justiça de Santa Catarina)

person sitting while using laptop computer and green stethoscope near
Créditos: National Cancer Institute / Unsplash
Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.