TJ-PE usa Whatsapp para enviar intimações processuais

Data:

Objetivo é que todas as unidades dos Juizados Especiais passem a utilizar a ferramenta

O uso de Whatsapp para enviar intimações processuais foi adotado pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE). Desde a segunda-feira (11), 4 unidades do Judiciário pernambucano já estão usado aplicativo. Segundo o TJ-PE, o objetivo é que todos os 42 Juizados Especiais passem a usar a ferramenta. Todas as unidades terão uma linha de telefone móvel exclusiva para envio das intimações.

A mudança, diz o TJ-PE, vai gerar uma economia de R$ 2 milhões. A conta é foi feita com base no valor gasto para usar o sistema (R$ 19,3 mil) e no total disponibilizado pelos Juizados em 2018 (R$2,27 milhões) para envio de correspondências e deslocamento de oficiais de Justiça.

A aplicação do Whatsapp para enviar intimações processuais é regulamentada pelo TJ-PE por meio da Instrução Normativa nº 10. Os interessados precisam preencher o termo de adesão no site da Justiça Federal e enviar o documento para o e-mail [email protected].

Notícia feita a partir de informações da assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Pernambuco.

Rakal Daddio
Rakal Daddio
Jornalista com quase 10 anos de carreira. Passagens por agências e meios de comunicação. É repórter do Juristas desde 2019.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.