TJSP condena Record por usar tom jocoso em reportagem sobre feminicídio

Data:

Jurisprudências sobre Direito ao Envolvimento
Record

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) condenou a Rede Record de Televisão a indenizar, por danos morais, a filha de uma mulher que foi assassinada pelo marido em junho de 2015. Ao determinar o valor da indenização, R$ 20 mil, foi considerado que preocupada em "angariar audiência", a emissora, usou, no programa "Cidade Alerta", um tom "jocoso" e "apelativo" ao tratar do crime.

A mulher foi morta pelo marido que não aceitava o fim do relacionamento, e a reportagem dizia que o casal vivia entre "sapecas e sururus, ora tem tapas, ora tem beijos", chegando inclusive a realizar uma suposta reconstituição dos fatos, em que uma atriz, interpretando a vítima, aparecia dançando com outro homem na frente do marido. A informação é da coluna de Rogério Gentile, no UOL.

notícia fábio assunção
Créditos: Artisteer | iStock

De acordo com os familiares da mulher, "A reportagem deu a entender que a vítima era uma mulher desfrutável, que se envolvia com homens enquanto convivia com o ex-companheiro", afirmou a família da vítima à Justiça.

A Record afirmou em sua defesa que, em nenhum momento, teve a intenção de ofender a honra da vítima e que fez a reportagem com base no boletim de ocorrência. A emissora alegou não ter cometido qualquer ato ilícito, tendo apenas narrado os fatos e que não pode ser responsabilizada por qualquer abalo que a filha da vítima "tenha supostamente sofrido".

apresentadora de TV / Luciana Gimenez
television tv stream smart broadcast video network

A Record declarou ainda à Justiça que, "Quanto aos termos 'sapecas e sururus', usado pelo apresentador do programa, não foi com o intuito de fazer chacota, mas, sim, de se referir ao ato sexual, tendo em vista que o horário do programa possui classificação indicativa".

O desembargador José Aparício Coelho Prado Neto, relator do processo no TJ, disse que não há interesse social algum em saber sobre os hábitos e a vida privada da vítima e declarou que a reportagem causou transtornos à filha que, em um momento tão difícil, "foi obrigada a testemunhar o relato jocoso do crime brutal".

Com informações do UOL


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Participe de nossos grupos no Telegram e WhatsApp. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por email ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Empresa condenada por uso indevido de marca registrada

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que uma empresa cessasse a venda de roupas que utilizavam indevidamente uma marca registrada por outra empresa do mesmo segmento.

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.