TJSP é o primeiro TJ a aplicar a Resolução CNJ 525/23

Data:

Ontem, no Gabinete da Presidência do Tribunal de Justiça de São Paulo, ocorreu a cerimônia de posse administrativa da desembargadora Maria de Fátima dos Santos Gomes. Esta cerimônia histórica marcou a primeira vez que uma mulher foi promovida ao cargo de desembargador através de um concurso exclusivo para juízas no Brasil. A sessão foi presidida pelo desembargador Fernando Antonio Torres Garcia e contou com a presença de membros do Conselho Superior da Magistratura, incluindo o vice-presidente Artur Cesar Beretta da Silveira e o presidente da Seção de Direito Criminal, Adalberto José Queiroz Telles de Camargo Aranha Filho.

O presidente Fernando Torres Garcia expressou grande satisfação com a promoção de Maria de Fátima, destacando a excelência do sistema de promoção do tribunal e o orgulho que a trajetória da nova desembargadora traz ao Judiciário de São Paulo. Ele também transmitiu felicitações em nome do presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, ministro Luís Roberto Barroso.

Emocionada, Maria de Fátima dos Santos Gomes agradeceu o apoio de seus colegas ao longo de sua carreira e reconheceu a importância do Tribunal como agente de mudanças positivas na sociedade, sempre buscando equidade e justiça. Ela agradeceu especialmente ao presidente Fernando Torres Garcia pela liderança e apoio nas mudanças, e também aos membros do Conselho Superior da Magistratura, sua equipe, e à 9ª Câmara de Direito Criminal. Além disso, prestou homenagem à sua mãe e suas filhas.

A cerimônia foi também prestigiada por vários membros do Conselho Superior da Magistratura, amigos, familiares, incluindo a mãe da empossada, e colegas do tribunal.

Maria de Fátima dos Santos Gomes, nascida em São Paulo em 1966, graduou-se pela Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em 1988. Antes de se tornar magistrada, trabalhou como escrevente, auxiliar de gabinete, advogada e procuradora do Estado. Após ser aprovada no concurso do TJSP em 1990, serviu como juíza substituta em várias comarcas antes de ser promovida a juíza substituta em segundo grau em 2019, assumindo agora a vaga deixada pelo desembargador aposentado José Tarciso Beraldo.

(Com informações do Tribunal de Justiça de São Paulo - TJSP)

Tribunal de Justiça de São Paulo
Créditos: casadaphoto / Depositphotos
Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.

Mantida condenação de mulher por estelionato

A 8ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão da 21ª Vara Criminal da Capital, proferida pela juíza Luciane Jabur Mouchaloite Figueiredo, que condenou uma mulher por estelionato. A pena foi fixada em dois anos e seis meses de reclusão em regime semiaberto.