TST mantém condenação de empresa de transporte de passageiros ao pagamento de horas extras

Data:

Tarifas de ônibus intermunicipais de São Paulo sobem a partir de domingo
Créditos: Mikbiz / Shutterstock.com

Por unanimidade, a Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou o agravo apresentado pela Arcelormittal Brasil S.A. contra a sua condenação ao pagamento de horas extras para um auxiliar de operação. O funcionário realizava jornada de 12 horas diárias em turnos ininterruptos de revezamento durante quatro dias consecutivos. A decisão que a empresa tentava reformar considerou nula a cláusula coletiva que estendia a jornada para além de oito horas.

O auxiliar, que trabalhava na Arcelormittal Brasil em Serra (ES), relatou que o sistema de trabalho em turnos de 12 horas por dia durante quatro dias seguidos era extremamente extenuante. Por conta disso, solicitou que as normas coletivas fossem declaradas inválidas e que lhe fossem pagas horas extras além da sexta hora diária.

O Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região (ES) manteve a sentença inicial, que considerou regular a jornada estabelecida pela empresa com base na autorização contida na norma coletiva. Dessa forma, não foram deferidas as horas extras pleiteadas pelo trabalhador.

Engenheiro Florestal / Novo Código Florestal
Créditos: juststock / iStock

O ministro Mauricio Godinho Delgado, relator do recurso de revista do auxiliar, ressaltou que o acordo coletivo pode definir turnos ininterruptos de revezamento, desde que limitados a oito horas por dia, conforme preconiza o artigo 7º, inciso XIV, da Constituição Federal. Ultrapassado esse limite, considera-se irregular a cláusula coletiva.

Com a nulidade da cláusula coletiva, o relator condenou a empresa ao pagamento das horas excedentes da sexta diária e da trigésima sexta semanal como extraordinárias.

A desembargadora convocada Adriana Goulart de Sena Orsini, ao analisar o agravo interposto pela Arcelormittal, destacou que as normas que regem a duração do trabalho são, de maneira geral, imperativas. Segundo ela, embora exista espaço para a criatividade autônoma coletiva privada, há limites claros estabelecidos.

A relatora observou que o Supremo Tribunal Federal, no Tema 1.046 de repercussão geral, reiterou que há limites objetivos à negociação coletiva, reconhecendo que determinados direitos são indisponíveis. Nesse contexto, o limite de oito horas por dia para os turnos de revezamento se enquadra como patamar mínimo.

Com informações do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Notícias, modelos de petição e de documentos, artigos, colunas, entrevistas e muito mais: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp.

Basta clicar aqui: https://bit.ly/zapjuristas

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca Definição...

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.