IA faz papel de auditor e expõe fraudes de despesas com funcionários

140
 

Inteligência artificial ajuda a descobrir farsas.

inteligência artificial
Créditos: Fabio Balbi | iStock

Um funcionário que viajava a trabalho deixou seu cachorro em um canil, mas cobrou o gasto como despesa do hotel. Outra funcionária pagou aulas de ioga pelo cartão de crédito corporativo, mas afirmou ser entretenimento do cliente. Um empregado gastou uma fortuna em um clube de striptease, mas apresentou a despesa como jantar de negócios em uma churrascaria.

Essas despesas falsas, que ocorreram recentemente em grandes empresas dos EUA, têm uma coisa em comum: todas foram expostas por algoritmos de inteligência artificial que podem investigar declarações fraudulentas e recibos falsos que, em muitos casos, são indetectáveis ​​para auditores humanos.

A startup AppZen

A AppZen, uma startup de contabilidade de AI, foi contratada por várias grandes empresas, incluindo a Amazon.com, a International Business Machine Corp., a Salesforce.com Inc. e a Comcast Corp. O resultado foi a economia de milhões em despesas fraudulentas. Em relatório divulgado em abril, foram analisados 2.700 casos de fraude entre janeiro de 2016 e outubro de 2017, que resultaram em perdas de US $ 7 bilhões.

A startup diz que a tecnologia não está tirando empregos, mas sim liberando auditores para se aprofundar em afirmações duvidosas e educar funcionários sobre políticas de viagens e despesas.

O fundador da AppZen, Kale, que tem experiência em finanças e tecnologia, criou sua empresa após descobrir como os sistemas de despesas administrativas se tornaram antiquados. Apenas cerca de 20% dos pedidos estavam sendo examinados e, na maioria dos casos, os auditores estavam apenas tentando igualar o valor de um recibo às despesas apresentadas.

Funções da startup

A startup consegue auditar 100% das solicitações em tempo real, executando recibos por meio de um algoritmo que busca duplicidade, discrepâncias ou despesas inflacionadas. Ele reembolsa as despesas legítimas dos funcionários no mesmo dia e retribui quaisquer reclamações duvidosas aos auditores humanos para uma investigação mais detalhada.

O algoritmo consegue, por exemplo, comparar o custo médio de um voo de Nova York a Chicago com o valor gasto e sinalizá-lo se o preço parecer exorbitante para esse dia (ou se o funcionário atualizou seu voo para a primeira classe). Ele também soará o alarme se uma empresa listada em um recibo não existir ou se um clube de striptease estiver disfarçado de steakhouse.

Guido van Drunen, diretor dos Serviços de Consultoria Forense da KPMG, acredita que empregos de nível inferior desaparecerão com a adoção da tecnologia. Mas diz que não há como a AI conseguir identificar todos os jeitos sorrateiros que os funcionários tentam fraudar seus empregadores. (Com informações do Bloomberg.)