Pedido da Google para suspender quebra de sigilo de dados de grupo de usuários não identificados é rejeitado no STJ

Data:

quebra de sigilo
Créditos: rvolkan | iStock

O pedido de liminar em recurso em mandado de segurança feito pela Google para suspender a quebra de sigilo de dados de grupo não identificado de pessoas foi indeferido pelo ministro do STJ, no âmbito de inquérito policial instaurado pela Polícia Civil de Sergipe para investigar o suposto homicídio de um capitão da PM ocorrido em 2018, no município de Porto da Folha (SE).

A autoridade policial tinha solicitado ao juízo da Comarca de Porto da Folha que determinasse à Google o fornecimento de informações de conexão e de acesso a aplicações de internet de pessoas que utilizaram os serviços da empresa e que estariam próximas ao local do crime entre 22h40 e 22h55. O pedido foi concedido, e a empresa impetrou MS no TJSE, com pedido de liminar para suspender os efeitos da decisão. 

A Google alegou ilegalidade e inconstitucionalidade da ordem recebida, já que ocorreria quebra de sigilo de um conjunto não identificado de pessoas. A empresa destacou que a legislação vigente veda pedidos genéricos de quebra de sigilo, sendo imprescindível a individualização fundamentada dos possíveis afetados. Por fim, ainda disse que não estão presentes os requisitos para determinar a medida.

O tribunal negou a liminar por entender que o pedido da autoridade policial está respaldado no Marco Civil da Internet (art. 22), que prevê hipóteses de quebra de sigilo "mais amplas". Também disse que o pedido se limitava às informações de conexão e de acesso a aplicações, o que não abrange o conteúdo das comunicações, evitando fragilizar a intimidade dos atingidos.

No recurso apresentado ao STJ, a Google reiterou os argumentos iniciais e pediu a suspensão do acórdão impugnado até a decisão de mérito. O relator indeferiu monocraticamente o pedido e ressaltou o caráter excepcional da liminar em recurso em MS, que só cabe diante de flagrante constrangimento ilegal, o que não foi verificado.

Para o ministro, "a pretensão de que sejam reconhecidas a ilegalidade e a desproporcionalidade da decisão de primeiro grau que determinou a quebra do sigilo de dados é claramente satisfativa, melhor cabendo o exame dessas questões no julgamento de mérito pelo colegiado, juiz natural da causa, assim, inclusive, garantindo-se a necessária segurança jurídica".​

Processo: RMS 61215

(Com informações do Superior Tribunal de Justiça)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Arquiteta é condenada por não concluir reforma em apartamento de cliente

A 3ª Vara Cível da Comarca de Natal, no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), proferiu sentença condenando uma arquiteta, prestadora de serviços de reforma em imóveis, ao pagamento de indenização por danos materiais de R$ 74.805,00, acrescidos de multa contratual estipulada em R$ 22 mil, em razão da não conclusão, no prazo acordado, da obra em um apartamento de um cliente. Além disso, a profissional foi condenada a pagar uma indenização por danos morais em favor do autor no valor de R$ 10 mil.

A primeira turma do STF decide tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da PMDF por omissão em atos antidemocráticos

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), todos suspeitos de omissão durante os atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023, quando as sedes dos Três Poderes foram invadidas e depredadas. A sessão de julgamento, que é virtual, está prevista para durar até 20 de fevereiro. Os ministros Cristiano Zanin e Cármen Lúcia seguiram o voto do relator, Alexandre de Moraes. Falta o voto do ministro Luiz Fux.

STF inspaciona desintrusão da Terra Indígena Trincheira-Bacajá (PA)

Uma missão oficial liderada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), com representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Presidência da República, esteve em operação no último dia 4 para inspecionar o progresso da desintrusão da Terra Indígena (TI) Trincheira-Bacajá, localizada no estado do Pará (PA). Durante a visita, foram realizados sobrevôos em áreas-chave da reserva e reuniões com líderes indígenas do povo Xikrin.

Dupla é condenada por saída do país com dinheiro não declarado à Receita Federal

A 7ª Vara Federal de Porto Alegre emitiu sentença, no dia 6 de fevereiro, condenando dois indivíduos pelo crime de evasão de divisas. Ambos foram flagrados transportando dinheiro em espécie para fora do país sem declará-lo à Receita Federal.