Trabalhador vítima de assédio decorrente de ajuizamento de ação será indenizado

Data:

Trabalhador vítima de assédio decorrente de ajuizamento de ação será indenizado | Juristas
Créditos: simpson33 | iStock

O Restaurante Vicolo Nostro Ltda., de São Paulo (SP), foi condenado pela Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho ao pagamento de indenização de R$ 10 mil a um garçom que demonstrou ser vítima de assédio moral. Ele ajuizou uma ação contra a empresa e passou a ser tratado de maneira discriminatória.

O garçom ajuizou uma reclamação trabalhista na 19ª Vara do Trabalho de São Paulo. Ele afirmou que os maîtres no restaurante o mantinham no trabalho até que todos os outros empregados tivessem ido embora. Também disse que sofreu ofensas verbais dos superiores, que o chamavam de incompetente e burro, além de pressão para pedir as contas e ameaça de suspensão.

Em sua defesa, o Vicolo negou os fatos narrados pelo garçom e disse que as acusações eram “totalmente inverossímeis”. O restaurante apontou ainda que todas as alegações e depoimentos foram analisados, e que a acusação de assédio moral tem como único objetivo fundamentar um pedido de rescisão indireta. 

Visão do TRT2: mero dissabor

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) entendeu que o empregado não comprovou as acusações feitas, como seria sua obrigação. O tribunal regional constatou contradição em seu depoimento e concluiu que não houve conduta discriminatória por parte do empregador. Para o TRT2, “A liberação do empregado após os outros, por si só, deve ser compreendida como mero dissabor, insuficiente para ensejar reparação por danos morais”.

TST: retaliação

A relatora do recurso de revista, ministra Delaíde Miranda Arantes, apontou que a prova testemunhal demonstrou o assédio moral sofrido pelo garçom. Em seu entendimento, os superiores hierárquicos trataram o trabalhador de maneira discriminatória em razão do ajuizamento de ação trabalhista. Para ela, a conduta do restaurante era uma forma de retaliação à reclamação trabalhista e representou ofensa à dignidade e à honra do empregado.

A decisão foi unânime.

Processo: RR-1045-78.2015.5.02.0019

(Com informações do Superior Tribunal de Justiça)

Leia também:          

 

Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas Certificação Digital. Acesse a plataforma de assinatura de documentos com certificado digital de maneira fácil e segura.

Siga o Portal Juristas no Facebook, Instagram, Google News, Pinterest, Linkedin e Twitter.   

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Como funciona a obtenção de múltiplas cidadanias?

A obtenção de múltiplas cidadanias pode ocorrer de várias maneiras, dependendo das leis e regulamentos de cada país envolvido. Aqui está uma visão geral dos principais métodos pelos quais uma pessoa pode adquirir mais de uma cidadania:

Uma pessoa pode ter diversos passaportes e nacionalidades?

Sim, uma pessoa pode possuir diversos passaportes e nacionalidades, em um arranjo conhecido como dupla ou múltipla cidadania. Isso significa que ela é reconhecida como cidadã por mais de um país e pode usufruir dos direitos e benefícios associados a cada uma das suas nacionalidades.

O que é o NIF em Portugal?

O NIF (Número de Identificação Fiscal) em Portugal é um número único atribuído aos contribuintes para efeitos de tributação e outras atividades administrativas relacionadas com as finanças do Estado. Este número é essencial para a identificação dos cidadãos nas suas relações com a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) de Portugal, bem como em diversas transações financeiras e legais no país.

TJSP mantém condenação de acusados que aplicavam golpe em locadora de veículos

A 7ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão da 13ª Vara Criminal da Capital, sob a juíza Erika Fernandes, que condenou três homens por associação criminosa, com um deles também condenado por estelionato, relacionado a um golpe praticado contra uma locadora de veículos. As penas impostas, variando entre um e dois anos de reclusão, foram convertidas em medidas alternativas, incluindo prestação pecuniária e serviços comunitários.