Alexandre Frota deve apagar post sobre candidato ao Senado

Data:

Alexandre Frota deve apagar post
Créditos: Bizoo_n | iStock

O TRE-DF determinou que o ator Alexandre Frota delete um post no Facebook que contém notícia falsa sobre Chico Leite, pré-candidato ao Senado pela Rede Sustentabilidade. A ação foi ajuizada pelo partido e pelo candidato, alegando que o conteúdo é uma propaganda negativa contra o político.

Frota disse que Leite se manifestou a favor da prisão do juiz Sérgio Moro e que seria contra a operação “lava jato”.

O desembargador do caso aceitou a liminar para excluir o post, caracterizando-o como fake news, sem fonte ou referência idônea das informações. Para o magistrado, a postagem de Frota, por ele ter alto número de seguidores, tem potencial de acarretar prejuízos irremediáveis à imagem do candidato, o que desestabilizaria seu pleito eleitoral.

Leia mais:

Ele ainda citou a Resolução 23.551/2017 do TSE, em que se limita conteúdo que ofenda a honra de terceiros ou divulgue fatos falsos.

O juiz deu 24 horas para o ator excluir a postagem e fixou pena de multa diária no valor de R$ 5 mil em caso de descumprimento. Se ele fizer novos posts contra Chico Leite, deverá pagar R$ 10 mil pelo ato e mais R$ 5 mil por dia enquanto a publicação estiver pública. (Com informações do Consultor Jurídico.)

Representação 0600290-35.2018.6.07.0000 - Decisão (disponível para download)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.