Aposentadoria de estatutário depende de vínculo com no momento do requerimento

Data:

estatutário
Créditos: Macgyverhh | iStock

A 1ª Turma do TRF-1 manteve a sentença da 19ª Vara da Seção Judiciária de Minas Gerais, que, apesar de reconhecer a condição de servidor estatutário do autor, negou seu pedido de aposentadoria voluntária integral na condição de estatutário por não ter vínculo com a Administração Pública no momento do requerimento.

O autor alegava que teria o direito adquirido à aposentadoria, que não poderia ser atingida por posterior adesão ao Programa de Demissão Voluntária (PDV). Ele aduziu que já cumpria as condições para a aposentadoria antes de aderir ao PDV, ou seja, quando ainda era servidor do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia.

O CREA afirmou que a admissão não se deu por concurso público, motivo pelo qual o regime jurídico único não seria aplicável. Salientou que os conselheiros regionais e federais não recebem repasse de verbas públicas, motivo pelo qual seus empregados não são considerados servidores públicos.

Na análise do recurso, o relator entendeu que o apelante era servidor do CREA, aderiu ao PDV, se desligou do órgão, e se aposentou pelo Regime Geral da Previdência Social. E destacou que “é pacífico o entendimento que somente pode se aposentar pelo regime estatutário aquele que detenha vínculo com a Administração no momento do requerimento do benefício, não tendo direito à aposentadoria estatutária quem tenha rompido anteriormente seu vínculo, como ocorre no caso de adesão ao plano de demissão voluntária”. (Com informações do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.)

Processo nº: 0062980-44.2012.4.01.3800/MG

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.