Empresa é multada por não colocar etiqueta sobre gasto de energia em produto

Data:

TRF4 manteve penalidade no valor de R$ 5.529,60

Empresa deve pagar multa por não colocar etiqueta sobre gasto de energia em produto. Com o entendimento unânime, a Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 4° Região (TRF4) confirmou sentença que condenou a Red Brasil, de Rio do Oeste (SC).

Empregado da Amazonas Energia não consegue reconhecimento de equiparação salarial
Créditos: Andrey_Popov / Shutterstock.com

No caso a empresa foi multada em R$ 5.529,60 pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e ajuizou ação pedindo que o auto de infração fosse anulado.

Em sua defesa, a Red Brasil argumentou que não há como presumir que o produto tenha sido enviado à loja sem a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (Ence), já que todos os fogões saem para a revenda devidamente etiquetados.

Saiba mais:

O juízo de primeiro grau manteve a multa, mas a empresa recorreu e afirmou que após a fiscalização do Inmetro enviou nova etiqueta ao cliente. Além disso, questionou a falta de fundamentação para a fixação do valor da multa.

A relatora do caso no TRF4, desembargadora federal Vânia Hack de Almeida, afirmou que a empresa não conseguiu comprovar que os produtos tenham sido enviados com a etiqueta.

Sobre o valor da multa, a magistrada explicou que a fixação encontra-se justificada pelo Inmetro no auto de infração nº 6101130002194 e que estão claros os motivos que levaram a sua aplicação.

“A legislação aplicável está apontada sem qualquer margem de dúvida, não havendo que se falar em ausência de motivação e fundamentação no caso em análise”, completou.

Processo 5004032-34.2017.4.04.7205/TRF

Clique aqui para ler a decisão.

Notícia produzida com informações da Assessoria de Imprensa do Tribunal Regional Federal da 4° Região.

Hysa Conrado
Hysa Conrado
É jornalista, formada pela Universidade São Judas. Tem experiência na cobertura do Poder Judiciário, com foco nas cortes estaduais e superiores. Trabalhou anteriormente no SBT e no portal Justificando/Carta Capital.

1 COMENTÁRIO

  1. Raras são as decisões do Inmetro em que existe fundamentação, dosimetria na aplicação da multa e principalmente razoabilidade. A Lei n. 9.784/99 está em vigor e é literalmente ignorada nos julgamentos de defesas e recursos no âmbito administrativo. A lei deve ser observada tanto a nível administrativo quanto judicial. Dr. Antonio Carlos Paz – OAB/RS 12.163

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.