Idosa é condenada a indenizar por racismo

Data:

Pena de prisão foi comutada em razão da idade

Racismo no Novotel Rio Copacabana
Créditos: sebastianosecondi / iStock

A 21ª Vara Criminal da Comarca de São Paulo (SP) condenou uma idosa pelo crime de injúria racial contra uma criança de 9 anos. A pena inicial foi de 1 ano de reclusão em regime aberto, porém foi comutada em razão da idade avançada e por ser ré primária. Ela deverá pagar prestação pecuniária no valor de um salário mínimo ao Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (Graac), indenização de R$ 950,00 (novecentos e cinquenta reais) à vítima e 10 dias-multa.

Consta dos autos que o menino brincava na rua com outras crianças com espumas de carnaval e espirrou o produto na casa da acusada. Irritada, ela saiu de sua casa e xingou a vítima de diante de outras pessoas, ofendendo a dignidade do garoto com elementos referentes a sua raça, cor e etnia. A ré foi presa em flagrante.

Para a juíza de direito Renata William Rached Catelli, além da prova testemunhal robusta contra a idosa, deve-se considerar a veracidade inerente ao depoimento de uma criança. “Não se mostra crível que uma criança de 09 anos de idade, à época dos fatos e 12 anos na data da audiência, sustentasse uma falsa acusação, sem qualquer motivo, diante de uma promotora de justiça, um advogado e uma juíza, sendo perceptível seu desconforto ao relatar os xingamentos em audiência”, escreveu a magistrada em sua sentença. “Era uma criança de 9 anos na data do ocorrido, o que certamente fez com que os fatos lhe tivessem atingido com gravidade”.

Renata Catelli ainda afirmou que os fatos apresentados pela ré para justificar uma conduta não-racista não são suficientes. “Ao afirmar que tomava conta de uma criança negra, a ré fala como se fizesse um grande favor, como se cuidasse da criança apesar de ser negra, além de ter invocado a presença de ancestrais negros, o que a isentasse de atitudes racistas”, escreveu a juíza. “Ademais, o que se julga neste ato não é o modo como a acusada tem se portado em relação ao preconceito e às suas relações pessoais, é um fato concreto, ocorrido em um dia específico, e, naquela oportunidade, praticou sim o crime de injúria racial”.

Cabe recurso da decisão.

(Com informações do Tribunal de Justiça de São Paulo - TJSP)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Empresa condenada por uso indevido de marca registrada

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que uma empresa cessasse a venda de roupas que utilizavam indevidamente uma marca registrada por outra empresa do mesmo segmento.

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.