Luiz Fux suspende processos de desapropriação por possível violação a decisão do STF

Data:

Luiz Fux suspende processos de desapropriação por possível violação a decisão do STF
Créditos: nantonov | iStock

O ministro Luiz Fux, do STF, deferiu liminar na Reclamação 36199 para suspender a tramitação de ação de desapropriação de imóvel no TJ-SP que fixou o valor da indenização em R$ 1,08 milhão ao proprietário e os juros compensatórios em 12%. 

O pedido da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) decorre da não concordância sobre o preço ofertado em juízo para imissão na posse pelo Poder Público e o valor do bem fixado na sentença. O imóvel localizado na Avenida Sapopemba foi declarado de utilidade pública pelo Decreto estadual 58.456/2012, e ocorreu imissão na posse em dezembro de 2013.

O Metrô alegou, na Reclamação, que o Plenário do STF julgou constitucional (ADI 2332) o percentual de juros compensatórios de 6% ao ano para remunerar a imissão provisória na posse do bem objeto de desapropriação. A decisão do Tribunal teria violado essa decisão. 

Na decisão, o ministro Fux disse que o Metrô tem razão, porque a decisão do tribunal entendeu que os juros compensatórios de 12% ao ano foram corretamente fixados, seguindo entendimento do STJ tomado em decisão repetitiva.

No entanto, pontuou que o Plenário do STF, no julgamento da ADI 2332, declarou constitucional o percentual de 6% para tal remuneração, equilibrando o direito constitucional do proprietário à justa indenização e os princípios constitucionais da eficiência e da economicidade.

Naquela oportunidade, explicou Fux, o STF modificou seu entendimento sobre a matéria e superou a decisão cautelar anteriormente deferida na ADI, “reputando razoável, legítimo e adequado o percentual de 6% para suprir a eventual perda econômica por parte do proprietário, adotando-se como base de cálculo a diferença entre 80% do preço ofertado pelo ente público em juízo e o valor do bem fixado na sentença”. 

O percentual de 12%, lembrou Fux, seria plausível somente se considerado o contexto de instabilidade financeira e inflacionária do período em que se concedeu a liminar.

Processo relacionado: Rcl 36199

(Com informações do Supremo Tribunal Federal)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.