Ministro do STF revoga liminar que permitia fogos de artifícios ruidosos na capital paulista

Data:

fogos
Créditos: Egor Novikov | iStock

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, revogou a liminar que suspendia os efeitos da Lei 16.897/2018 do Município de São Paulo, que proíbe fogos de estampidos e de artifícios e de de efeito sonoro ruidoso. A eficácia da lei foi restaurada assim que o ministro recebeu informações do prefeito e da Câmara Municipal a respeito da norma. Tal lei é questionada no STF por meio da ADPF 567, ajuizada pela Associação Brasileira de Pirotecnia (Assobrapi).

O relator entendeu que a preocupação do legislador paulistano não é interferir em matérias de competência legislativa da União, mas proteger a saúde e o meio ambiente municipal. Ele ainda destacou a audiência pública que precedeu à edição da lei e os documentos apresentados, que demonstraram os impactos negativos dos fogos com efeito sonoro à população de pessoas autistas e à vida animal. 

Além disso, Moraes pontuou que o legislador paulistano não proibiu o manuseio, a utilização, a queima e a soltura de fogos de artifício, somente aqueles com efeito sonoro ruidoso. 

E pontuou: “Constato, desta forma, haver sólida base científica para a restrição ao uso desses produtos como medida protetiva da saúde e do meio ambiente. O fato de o legislador ter restringido apenas a utilização dos fogos de artifício de efeito sonoro ruidoso, preservando a possibilidade de uso de produtos sem estampido ou que acarretam barulho de baixa intensidade, parece, em juízo preliminar, conciliar razoavelmente os interesses em conflito”.

Por fim, o ministro lembrou que a proteção do meio ambiente e da saúde é competência material comum dos entes federativos. Conforme jurisprudência do STF, estados e municípios podem editar normas mais protetivas, considerando suas peculiaridades regionais e seu interesse, conforme o caso. Na situação, há uma pretensão de promover padrão mais elevado de proteção à saúde e ao meio ambiente. Assim, entendeu que a lei foi editada dentro de limites razoáveis do regular exercício de competência legislativa pelo Município de São Paulo.

Processo relacionado: ADPF 567

(Com informações do Supremo Tribunal Federal)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Banco Inter deve indenizar cliente por compras em cartão de crédito furtado fora do país

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal confirmou uma decisão que obriga o Banco Inter S/A a indenizar um cliente devido à negativação de seu nome após compras realizadas com um cartão de crédito furtado. A sentença determinou a anulação de um débito no valor de R$ 6.382,91, o cancelamento de empréstimos automáticos realizados na fatura, a exclusão do nome do consumidor dos registros de proteção ao crédito e o pagamento de uma indenização de R$ 5 mil por danos morais.

Justiça mantém suspensão de repasse de indenização da Petrobras ao Governo do Paraná

A Justiça Federal decidiu manter, temporariamente, a suspensão do repasse da indenização da Petrobras para o FEMA - Fundo Estadual do Meio Ambiente, seguindo uma determinação do Ministério Público do Estado do Paraná. Essa medida está relacionada a uma ação civil pública que tratou do vazamento de petróleo da Repar (Refinaria Presidente Getúlio Vargas) em Araucária, ocorrido em 18 de julho de 2000.

Justiça nega liminar a estudante que alegou superdotação para ingressar na universidade sem ensino médio

A Justiça Federal indeferiu um pedido liminar feito por uma estudante do segundo ano do Ensino Médio que havia sido aprovada no vestibular de Medicina da UFSC. A decisão foi proferida pelo juiz Rafael Selau Carmona, da 3ª Vara Federal de Florianópolis, que citou a necessidade objetiva da conclusão do nível anterior ao universitário para o ingresso na instituição.

Farmácia de manipulação tem pedido negado para nomear fórmulas em rótulos de produtos

A 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP)confirmou a sentença da 2ª Vara da Fazenda Pública de Piracicaba, proferida pelo juiz Maurício Habice, que negou um mandado de segurança impetrado por uma farmácia de manipulação contra a proibição de nomear as fórmulas de seus produtos manipulados nos rótulos.