Servidora pública terá jornada de trabalho especial para cuidar da filha com necessidades especiais

Data:

A 1ª Turma do TRF-1, por unanimidade, concedeu o direito à jornada de trabalho de 20 horas semanais, sem compensação de horário, à servidora pública federal, autora da ação, para que possa acompanhar sua filha, portadora de necessidades especiais, especificamente de apraxia da fala c/c retardo mental moderado.

O juízo de primeira instância concedeu a redução para 26 horas semanais e sem a compensação de horário. Porém, o caso é de reexame necessário, já que a sentença foi proferida contra a União (remessa obrigatória).

Na análise do caso, a relatora destacou os relatórios e laudos médicos que atestam a condição da filha da servidora, que necessitaria de assistência constante e direta da mãe.

Afirmou que a Lei 8.112/90 fixa jornada máxima de 40 horas semanais para os servidores federais, mas que é razoável a fixação de jornada de 20 horas semanais, o que não é proibido legalmente.

Processo nº 0023387-93.2016.4.01.3500/GO

Fonte: portal do TRF-1

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.