Reter carteira de trabalho após a morte do funcionário justifica indenização

284

CLT determina que o documento seja devolvido em até 48h após o desligamento do empregado

Reter carteira de trabalho após a morte do funcionário justifica indenização por ser ato ilícito. O entendimento unânime é da Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST). A corte condenou um empregador a pagar R$20 mil à família de um carpinteiro por reter seu documento por três anos após sua morte.

Na ação, a família informou que o homem morreu em maio de 2011, mas a empresa não deu baixa na carteira de trabalho ou pagou as verbas rescisórias. Por consequência, os familiares ficaram impedidos de sacar o FGTS e o PIS do morto.

Reter carteira de trabalho após a morte do funcionário justifica indenização por ser  
ato ilícito
Créditos: cifotart / iStock

Eles pediam a devolução do documento, a baixa no contrato de trabalho e a condenação da empresa por dano moral.

No entanto, para o juízo da 2ª Vara do Trabalho de Jaraguá do Sul, a prática da empresa não configurou ato ilícito. Também disse que a medida não causou dano aos herdeiros para um pedido de indenização. O Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC) manteve a sentença.

No TST, o ministro Cláudio Brandão, relator do recurso, explicou que a devolução do documento em até 48h após o desligamento é obrigação do empregador. As imposições estão delimitadas nos artigos 29 e 53 da CLT. Assim, complementou,a retenção do documento por tempo superior ao fixado na lei é ilegal.

Ele lembrou também que, em casos de falecimento, a reparação devida ao empregado alcança os herdeiros. Segundo ele, os créditos devidos ficam condicionados à comprovação dos registros contidos no documento.

RR-2105-65.2011.12.0046

Com informações da Assessoria de Imprensa do Tribunal Superior do Trabalho

DEIXE UMA RESPOSTA