Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp

Data:

whatsapp
Créditos: Andrey Popov | iStock

A Folha de São Paulo apurou que um conjunto de empresas que apoiam Bolsonaro está agindo de forma ilegal no processo eleitoral. Elas compram pacotes de disparo em massa de mensagens no WhatsApp contra o Partido dos Trabalhadores e intensificarão suas ações na semana que antecede o segundo turno. Há contratos que atingem R$ 12 milhões. Entre as empresas, está a Havan.

A doação de campanha por empresas e a doação não declarada são proibidas pela legislação eleitoral.

A prática funciona da seguinte forma: eles disparam mensagens para as bases de usuários do próprio Bolsonaro ou vendidas por agências de estratégia digital, o que também é ilegal (a lei proíbe a compra de base de terceiros). As agências que utilizam bases de terceiros segmentam região geográfica e renda. Essas bases são ilegalmente fornecidas por empresas de cobrança ou por funcionários de empresas telefônicas.

O dono da Havan, Luciano Hang, disse não ter conhecimento sobre o fato. O sócio da QuickMobile, uma das agências que prestam esse tipo de serviço, disse que a empresa não atua na política. O sócio da Yacows, também atuante nesse ramo, disse que não se manifestaria sobre o assunto.

Na prestação de contas de Bolsonaro, ele apontou somente a AM4 Brasil Inteligência Digital como recebedora de R$ 115 mil para mídias digitais. Um dos donos da AM4 disse que há apenas 20 pessoas trabalhando na campanha, que mantém grupos para denúncias de fake news, listas de transmissão e comitês de conteúdo.

Entretanto, ex-funcionários da empresa afirmaram que a empresa usa uma ferramenta que gera números estrangeiros utilizados para disseminar as mensagens. Assim, conseguem escapar dos filtros de spam e das limitações impostas pelo WhatsApp. Destacaram que boa parte do conteúdo não é produzido pela campanha, mas por apoiadores, que a empresa usa algoritmos para segmentar os membros dos grupos e identificar influenciadores. O dono da AM4 nega.

A mesma prática estaria sendo adotada por Romeu Zema, candidato ao governo de Minas Gerais. (Com informações da Folha de S. Paulo.)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.