Felipe Neto vai processar pesquisadora que o chamou de macaco e criminoso

Data:

postagem homofóbica
Créditos: anyaberkut | iStock

O empresário e influenciador digital Felipe Neto, 32, anunciou que vai entrar com um processo contra a pesquisadora do Instituto Butantan Maria Carla Petrellis. Ela o chamou de "macaco" em uma resposta a ele no Twitter. Ainda o chamou de "criminoso" e disse que ele irá "morrer pela boca".

Segundo o youtuber e empresário têm sido alvo frequente de campanhas de difamação em mídias sociais, "Infelizmente, essa mulher é pesquisadora do Butantan. Bolsonarista fanática, ela tem por hábito chamar opositores de "macacos pedófilos". Fez o mesmo com Caetano Veloso e foi processada, agora será processada pela minha equipe. Que nojo", escreveu Neto na mesma rede social.

Felipe Neto - Digital InfluencerA assessoria de imprensa do influenciador Felipe Neto reforçou esse posicionamento, reiterando que tomará as medidas judiciais necessárias e cabíveis. “É inaceitável que este tipo de conteúdo ainda seja propagado. A internet não é terra sem lei e há de se ter compromisso e responsabilidade com aquilo que se fala", frisou a assessoria do influencer digital.

Com informações do UOL e Isto é.


 

Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas – www.arjuristas.com.br. Entre em contato através de email ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.