Google não coletará dados de redes móveis nos celulares Android

Data:

Google não coletará dados de redes móveis nos celulares Android
Créditos: EnDyk | iStock

A Google fechou o Mobile Network Insights, sistema do Android que coletava dados sobre a qualidade da rede móvel e funcionava em parceria com as operadoras de telefonia. A empresa teme novos problemas relacionados às normas europeias sobre privacidade (GDPR).

Na teoria, o sistema é útil, pois ajuda empresas do setor a criarem mapas de alcance, trabalhando de forma mais direcionada nos lugares com recepção ruim. No entanto, o sistema não é claro para os usuários, e muitos sequer sabiam de sua existência, já que não havia aprovações explícitas sobre a coleta. 

As informações eram obtidas por meio do Google Play Services, que era acionado assim que o usuário concordasse com o compartilhamento de dados de diagnóstico e localização. O aceite era feito diretamente ao Google, sem envolver empresas de Telecom. E é exatamente isso que poderia causar problemas.

Informações extra-oficiais dizem que a Google estaria insatisfeita com as telecoms, porque elas não apresentaram resultados significativos ou investimento para a melhoria dos serviços. Com isso, a gigante de tecnologia entendeu que não valeria a pena correr riscos em prol de um recurso que não apresentou o resultado esperado. A ideia é trabalhar para os serviços, sistemas e aplicativos da Google melhorem sua performance mesmo em condições de conectividade ruim.

As operadoras se incomodaram com a decisão, já que o sistema foi interrompido sem aviso prévio, o que tornou o trabalho de estratégias, manutenções e expansões mais complexo.

(Com informações do Reuters, por Canal Tech)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

1 COMENTÁRIO

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.