Planos de saúde individuais não poderão fazer reajustes acima de 5,72% em 2018

Data:

Planos de saúde individuais
Créditos: Yavdat | iStock

A Agência Nacional de Saúde deverá aplicar o teto de 5,72% (inflação setorial da saúde) para o reajuste dos planos de saúde individuais e familiares em 2018, de acordo com o juiz José Henrique Prescendo, da 22ª Vara Cível Federal de São Paulo. Assim, a ANS não poderá autorizar reajustes excessivos que podem inviabilizar o custeio desses planos. A liminar vale para todo o país.

A ação civil pública é de autoria do IDEC. O instituto apontou que a ANS utiliza a mesma metodologia desde 2001, considerando a média dos reajuste aplicados pelas operadoras aos planos coletivos com mais de 30 usuários. Esses dados provêm das próprias operadoras, sem que a ANS cheque as informações. Diante da necessidade de avaliação desses critérios, sugeriu o reajuste no limite do IPCA em liminar.

No mérito, o instituto solicitou o reconhecimento da ilegalidade e da abusividade dos reajustes autorizados pela ANS desde 2009, bem como a compensação dos valores pagos a mais pelos consumidores mediante descontos nos reajustes dos próximos 3 anos.

Processo: 5010777-40.2018.4.03.6100 - Decisão (Disponível para download.)

A auditoria do TCU de 2014 concluiu que a agência vem autorizando aumentos excessivos. Nos últimos três anos, os reajustes superaram 13% ao ano, apesar da inflação (IPCA) ter caído de 8,17% para 4,08% no período.

reajustes
Créditos: Sergey Tinyakov | iStock

O juiz entendeu que, apesar de a sofisticação da medicina aumentar o custo, levando a um índice diferenciado da inflação, nenhum setor teve reajuste salarial em “patamar sequer próximo” aos liberados pela ANS. Para o magistrado, esse desequilíbrio pode tornar inviável o pagamento dos planos num futuro próximo.

Por fim, Prescendo ventilou a possibilidade de que a agência faça parte de uma audiência de conciliação para discutir um TAC sobre outra metodologia. Até nova decisão, vale o teto imposto pela liminar. (Com informações do Consultor Jurídico.)

DECISÃO

(...) Diante do exposto, DEFIRO O PEDIDO DE TUTELA PROVISÓRIA DE URGÊNCIA para determinar à ré que se abstenha de autorizar o reajuste dos planos individuais e familiares correspondente ao período de 2018/2019, por índice superior à inflação do "setor de Saúde e Cuidados Pessoais", integrante do cálculo do IPCA medido pelo IBGE, acumulado no período de maio de 2017 a abril de 2018( ou seja, até 5,72%), até ulterior prolação de decisão judicial em sentido contrário.

(TJSP,AÇÃO CIVIL PÚBLICA (65) Nº 5010777-40.2018.4.03.6100 / 22ª Vara Cível Federal de São Paulo AUTOR: INSTITUTO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Advogado do(a) AUTOR: FLAVIO SIQUEIRA JUNIOR - SP284930 RÉU: AGENCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR - ANS. Data do Julgamento: 30 de maio de 2018.)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

1 COMENTÁRIO

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.