Construtor tem 6 meses para regularizar obra ou enfrentar demolição no litoral sul catarinense

Data:

Imagem do Tribunal de Justiça de Santa Catarina
Créditos: TJSC / Youtube

A sentença estabelecendo um prazo de 180 dias para a regularização de uma obra ilegal ou a demolição subsequente foi confirmada pela 1ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). A decisão da Comarca de Imbituba, situado no litoral sul do Estado de Santa Catarina, se refere a uma construção ilegal iniciada no ano de 2015 sem as devidas autorizações.

A fiscalização do município identificou a irregularidade no final do mesmo ano, em 30 de novembro, e ordenou a paralisação da obra. Contudo, durante uma revisita ao local em março de 2016, foi notado que a obra continuava, ignorando o embargo.

A administração municipal avançou com uma ação civil pública (ACP) na justiça local, resultando em uma sentença que permitia seis meses para a regularização da obra. Se o proprietário não se empenhar para resolver a situação, ou se o município declarar a impossibilidade de corrigir as irregularidades, a obra será demolida após o término do prazo concedido. O proprietário apelou à decisão do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), alegando tecnicamente que sua esposa deveria ter sido citada, o que não ocorreu durante o processo.

Na defesa, o proprietário afirmou que solicitou a aprovação de um projeto e uma licença de construção ao departamento responsável do município em 19 de agosto de 2016, mas até agora não recebeu uma resposta, seja ela positiva ou negativa. Por conta disso, solicitou que o recurso fosse suspenso até uma decisão final da administração municipal. No entanto, o desembargador relator do caso negou ambas as solicitações.

O desembargador, relator do recurso, descartou a necessidade de citar a esposa do proprietário da obra e esclareceu que não há uma previsão legal para suspender um processo judicial devido a um processo administrativo em andamento. A decisão da Primeira Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) foi unânime.

Recurso de Apelação n. 0301208-51.2016.8.24.0030

(Com informações do Tribunal de Justiça de Santa Catarina - TJSC)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.