Suspeitos de hackear Moro e Deltan têm prisão preventiva decretada

Data:

DJ de Araraquara é preso por suspeita de invadir celulares de autoridades
Créditos: Brian A Jackson | iStock

Luiz Molição e Thiago Eliezer Martins, suspeitos de invadir os celulares de autoridades brasileiras, tiveram a prisão preventiva decretada, sem prazo, pela Justiça Federal de Brasília. Eles estavam, desde o dia 19, em prisão temporária devido à segunda fase da operação Spoofing, que investiga a invasão. 

Ambos são apontados como os responsáveis, junto com Walter Delgatti Júnior, de hackear o aplicativo de mensagens Telegram de Sergio Moro, ministro da Justiça, Sergio Moro, e de Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal no Paraná.

Thiago Batista, advogado de Martins, disse que recorrerá da decisão, já que os fundamentos da conversão da prisão temporária em preventiva se baseiam em "supostas contradições não evidenciadas" nos autos e alegações sem provas "narradas isoladamente por outro investigado". 

A reportagem de hoje, 30, do jornal Estado de S. Paulo afirma que as autoridades envolvidas na investigação entendem que houve prática de crime contra a Lei de Segurança Nacional, no crime de espionagem, cuja pena varia entre 3 a 15 anos de prisão.

segurança
Créditos: BigNazik | iStock

A Polícia Federal diz que pode ter encontrado uma conversa apontando o envolvimento de Molição com o vazamento das mensagens publicadas pelo site The Intercept. Os investigadores afirmam ter encontrado um áudio no celular de Molição que demonstra suposta conversa com o jornalista Glenn Greenwald, além de contatos frequentes entre Molição e Walter Delgatti Neto. Ele afirmou em depoimento que não recebeu valores para repassar as mensagens e que a ex-deputada Manuela D'Ávila (PCdoB) intermediou seu contato com o site.

Também estão presos outros supostos hackers que teriam sido pagos para invadir os celulares: Gustavo Santos, Suellen Priscila e Danilo Marques. A PF investiga se isso, de fato, ocorreu e quem teria feito pagamentos, pois as contas dos investigados apresentam saldo incompatível com seus vencimentos, segundo consta em relatórios de investigações.

(Com informações do Uol)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

STJ decide: rescisão de contrato de aluguel pode ser comunicada por e-mail

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deliberou, por unanimidade, que a comunicação da intenção do inquilino de rescindir o contrato de aluguel pode ser feita por e-mail. Segundo o colegiado, o aviso não requer formalidades específicas, sendo suficiente que seja feito por escrito e chegue ao locador ou a alguém que o represente.

Ministros do STF enfatizam a importância das normas do TSE sobre manipulações digitais nas eleições

Durante sessão realizada nesta quarta-feira (28), a ministra Cármen Lúcia compartilhou com o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) detalhes sobre a regulamentação das Eleições Municipais de 2024 para combater a desinformação e o uso indevido de inteligência artificial (IA). As informações foram discutidas após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no dia anterior (27), aprovar 12 resoluções, cuja relatoria também é da ministra, atualizando o processo eleitoral em virtude dos avanços tecnológicos.

Banco Losango é condenado a pagar R$ 20 mil de indenização por cancelar plano de saúde de gestante

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que o Banco Losango S.A. pague uma indenização de R$ 20 mil a uma bancária de Feira de Santana (BA) por ter cancelado seu plano de saúde mesmo após saber de sua gravidez. A decisão considerou que o banco retirou o direito da empregada à assistência médica necessária para acompanhar a gravidez.

STJ determina isenção de tarifas bancárias na remessa de pensão alimentícia ao exterior

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, por maioria, que as remessas ao exterior de valores relativos ao pagamento de pensão alimentícia, fixadas judicialmente, estão isentas de tarifas bancárias. O colegiado entendeu que a isenção prevista na Convenção de Nova York sobre Prestação de Alimentos no Estrangeiro para despesas judiciais deve abranger também as tarifas bancárias exigidas em tais operações.