Whatsapp vira meio de escolha de seções judiciárias no TJPR

Data:

whatsapp
Créditos: Gutaper | iStock

O desembargador Renato Braga Bettega, presidente do TJPR, deliberou o uso do aplicativo de mensagens Whatsapp, da empresa Facebook, para a escolha de seções judiciárias a serem preenchidas por novos magistrados no Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR).

Com tal medida do presidente do TJPR, os candidatos que residem em outros Estados e nas cidades do interior do Paraná não precisam se deslocar até Curitiba (PR) apenas para escolher as seções.

Por meio de um grupo criado no aplicativo de mensagens WhatsApp, os candidatos manifestaram sua escolha individual no prazo de 24 horas, seguindo o critério da classificação final do concurso de ingresso para a magistratura.

A seleção das seções judiciárias do Poder Judiciário do estado do Paraná aconteceu em oito dias, que iniciou no dia 2 de agosto e foi finalizada no dia 10.

Dessa forma, os novos magistrados já sabem onde vão iniciar suas carreiras sem a necessidade do deslocamento, restando apenas a espera pela cerimônia de nomeação e posse. (Com informações do Migalhas.)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.