Instituto Homem, que defende acusados pela Lei Maria da Penha, gera revolta na internet

817
Instituto Homem
Créditos: Andrey Popov | iStock

Foi fundado na cidade de Samambaia -DF o Instituto Homem, por Luiz Gonzaga de Lira. A fundação tem como principal objetivo “amparar” homens acusados de agressão, ameaça, ou qualquer outro crime com base na Lei Maria da Penha.

Para Lugon, como Luiz Gongaza é mais conhecido, quando um juiz ordena que um homem saia de casa em um prazo determinado, fica desamparado, vulnerável e precisa de ajuda para voltar à posição de ‘chefe’ para poder ‘salvar a família’.  Segundo Lugon, “essa lei (Lei Maria da Penha) está prejudicando toda a família. Como o homem ainda é considerado o chefe e está desorientado, a família está se acabando”.

O instituto ainda pretende oferecer um sopão para as chamadas “vítimas de acusação da Lei Maria da Penha”, além de prestar consultoria estética e dar um banho de roupa nova para que “a mulher aceitar ele de volta”, disse o fundador.

Revolta na internet

O que parece ser uma proposta “excelente” para o fundador do Instituto Homem, essa iniciativa tem sido bastante criticada nas redes sociais, com vários comentários que expressam revolta por tal criação.

comentário instituto homem
Créditos: Reprodução | Twitter

“Fizeram um INSTITUTO HOMEM que defende acusados de infringir a Lei Maria da Penha. O slogan: “construindo famílias”.  Construir famílias. Livrando agressor de pena. De violência. De abuso psicólogico. Esse país é ridículo”. Disse um usuário do Twiiter.

No Facebook, a revolta foi igual. A maioria dos comentários na publicação da matéria foi de mulheres. Muitas disseram não acreditar no que estavam lendo e outras aproveitaram para trazer à tona dados da violência doméstica. (Com informações do O Viral.)

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA