Asus e importadora deverão indenizar consumidor por defeito em notebook

Data:

Asus e importadora deverão indenizar consumidor por defeito em notebook
Créditos: OLGaSTaRSTENINa | iStock

Ronny Czerkus, representado por Igor José Oliveira dos Santos, Miguel Lucas Souza Barbosa e Wilson Furtado Roberto, do escritório de advocacia Wilson Roberto Consultoria e Assessoria Jurídica, ajuizou uma ação contra ACBZ Importação e Comércio e ASUS Technology Holland B.V. devido ao mau funcionamento de seu notebook da marca Asus, importado pela primeira requerente. Ele solicita a reparação ou substituição do equipamento, além de indenização por dano moral.

Ele relata que comprou um notebook ASUS ROG ZEPHYRUS GX501 junto a empresa AMAZON.COM no valor total de $1.999,99 doláres, e que após 6 meses de uso, realizou uma atualização de software indicado pela fabricante, o que causou o mau funcionamento ao teclado do aparelho. Disse que, apesar de ter buscado assistência técnica das rés, elas se negaram a reparar o produto por não possuírem as partes necessárias para o serviço, já que o bem foi produzido internacionalmente.

A importadora demonstrou nos autos que pertence a grupo econômico com a outra demandada e alegou ilegitimidade ativa e incompetência dos Juizados, uma vez que seria necessária perícia complexa. No mérito, disse que o cliente não tem direito aos pedidos feitos, pois adquiriu o produto fora do Brasil e “deve suportar  as cláusulas de garantia respectivas”.

Decisão

Na decisão, o juiz rejeitou as preliminares. Quanto à incompetência, ressaltou que as provas apresentadas já comprovam o defeito no produto e que a ré, que esteve com o bem em seu poder para a assistência, “poderia ter apresentado nos autos um parecer técnico sobre os problemas da máquina, a fim de contradizer as alegações do promovente”. 

Ele destacou o Enunciado nº 13.6 do TJ-PR: “Complexidade da causa: Simples afirmação da necessidade de realizar prova complexa não afasta a competência do Juizado Especial, mormente quando não exauridos os instrumentos de investigação abarcados pela Lei nº 9.099/95”. 

Ilegitimidade passiva

notebook defeito
Créditos: OLGaSTaRSTENINa | iStock

Quanto à alegação de ilegitimidade passiva, o magistrado pontuou que uma consulta realizada pelo CNPJ das rés no site da Receita Federal demonstra que a Asus integra o quadro societário da outra requerida primeira, perfazendo grupo empresarial. “Assim, ambas as demandadas devem responder de forma solidária, conforme ditames do art. 28, §2º do CDC”.

Mérito

No mérito, o juiz pontua que a relação é consumerista, e que as rés não comprovaram que o alegado defeito tivesse outra origem senão aquela alegada pelo requerente. Assim, considera-se como verdadeiro que a referida atualização é a causa de defeito no notebook. Desta forma, considerou que a falha provém de serviço prestado pelas próprias rés, responsáveis por reparar o bem dentro do prazo decadencial legal (art. 26, II c/c §3º do CDC), contado da data em que o defeito é conhecido pelo consumidor. 

Para o magistrado, é caso de vício oculto. Ele entende que a vida útil de um notebook não é somente 6 meses. E diferencia a garantia contratual (pactuada entre as partes) da legal (se inicia após o exaurimento da garantia contratual ou quando da constatação do vício oculto). O juiz ainda salientou jurisprudência do STJ: “em se tratando de vício oculto não decorrente do desgaste natural gerado pela fruição ordinária do produto, mas da própria fabricação, e relativo a projeto, cálculo estrutural, resistência de materiais, entre outros, o prazo para reclamar pela reparação se inicia no momento em que ficar evidenciado o defeito, não obstante tenha  isso ocorrido depois de expirado o prazo contratual de garantia, devendo ter-se sempre em vista o critério da vida útil do bem”.

Assim, entendeu que o notebook ainda goza de garantia. Por isso, determinou que as rés efetuem a substituição do bem ou a devolução dos valores. 

Sobre o dano moral, disse que “a ineficiência dos serviços de pós-venda, que desampararam o requerente após a aquisição do bem apesar do mesmo ter sido apresentado à assistência técnica na forma legal, é passível de reparação por dano moral, conforme Enunciado 8.3 das Turmas Recursais do TJPR: ‘O descaso com o consumidor que adquire produto com defeito e/ou vício enseja dano moral”. Dessa forma, fixou em R$ 2 mil a indenização por danos morais.

Juizado Especial da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba - Foro Regional de Pinhais

Processo nº 0003027-07.2019.8.16.0033 

Leia também:

 

Conheça o Juristas Signer , a plataforma de assinatura de documentos com certificado digital.

 

Flávia Costa
Flávia Costa
Correspondente do Portal Juristas

8 COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Flávio Dino toma posse como ministro do STF assumindo a vaga de Rosa Weber, que se aposentou em setembro.

Em uma solenidade realizada na tarde desta quinta-feira (22), Flávio Dino tomou posse como ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). O evento ocorreu no Plenário da Corte e contou com a presença de autoridades da República, convidados e familiares. Com a posse de Dino, o STF recupera sua composição completa, composta por 11 ministros. Flávio Dino foi indicado pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, assumindo a vaga deixada pela ministra Rosa Weber, que se aposentou em 30 de setembro passado.

Latam é condenada a indenizar passageira por extravio definitivo de bagagem

A Quarta Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) manteve a sentença proferida pelo Juízo da 1ª Vara Cível da Comarca da Capital, condenando a Latam Airlines Group ao pagamento de indenização por danos materiais no valor de R$ 16.020,19 e por danos morais no montante de R$ 10.000,00, em razão do extravio definitivo de bagagem em transporte aéreo nacional. O caso foi julgado na Apelação Cível nº 0841512-15.2021.8.15.2001, da relatoria do desembargador Oswaldo Trigueiro do Valle Filho.

Município de São Paulo deve fornecer transporte gratuito a criança com Síndrome de Down

Por unanimidade, a 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve decisão da 4ª Vara da Fazenda Pública da Capital, proferida pelo juiz Antonio Augusto Galvão de França, que condenou o Município de São Paulo e a São Paulo Transporte S/A (SPTrans) a fornecerem transporte gratuito de criança com Síndrome de Down à instituição de educação e desenvolvimento que frequenta.

Mantida multa de R$ 400 mil por omissão de informações em pescado para exportação

A Justiça Federal negou o pedido de uma empresa de pescados de Itajaí (SC) para que fosse anulada uma multa de R$ 400 mil, aplicada pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em denominação de 2017) por omitir informações acerca de produtos destinados à exportação. A sentença da 3ª Vara Federal local, do início deste mês, entendeu que não houve ilegalidade no procedimento da administração.