STF anula provas obtidas sem autorização judicial em contas de internet

Data:

vítima de acidente de trânsito
Créditos: ShutterOK | iStock

Na primeira sessão presencial de 2024, ocorrida na terça-feira (6), a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por maioria, anular provas obtidas a partir da preservação não autorizada judicialmente do conteúdo de contas eletrônicas de uma investigada por supostas irregularidades no Departamento Estadual de Trânsito (Detran) do Paraná. A decisão foi proferida durante o julgamento de recurso no Habeas Corpus (HC 222141).

Preservação de Dados

STF anula provas obtidas sem autorização judicial em contas de internet | Juristas
Créditos: Madmaxer | iStock

Em 22/11/2019, o Ministério Público do Estado do Paraná (MP-PR), no contexto de uma investigação envolvendo o credenciamento de empresas para serviços de registro eletrônico de contratos, solicitou aos provedores Apple e Google a preservação dos dados e IMEIs (identificação internacional de equipamento móvel) vinculados aos sócios de uma das empresas envolvidas. A preservação incluía informações cadastrais, histórico de localização e pesquisas, conteúdo de e-mails, mensagens, fotos e nomes de contatos.

A defesa de uma das investigadas alegou, no HC ao STF, que a obtenção das provas violou o direito à intimidade e à privacidade, argumentando que o conteúdo telemático junto aos provedores de internet foi congelado sem autorização judicial, o que iria de encontro aos limites estabelecidos pelo Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014). O relator original, ministro Ricardo Lewandowski (aposentado), havia concedido o habeas corpus monocraticamente, mas o MP-PR recorreu por meio de agravo regimental.

Decisão do STF

Ricardo Lewandowski
Créditos: Reprodução / TV Justiça

Prevaleceu no julgamento do agravo o entendimento do ministro Ricardo Lewandowski, expresso em sessão virtual realizada em abril do ano anterior. Ao rejeitar o recurso, ele enfatizou que o congelamento e a consequente perda da disponibilidade dos dados ocorreram sem base em qualquer decisão judicial de quebra de sigilo, o que viola a Constituição Federal e o Marco Civil da Internet.

Lewandowski destacou que o Marco Civil da Internet estabelece claramente a necessidade de autorização judicial prévia para o fornecimento de informações de acesso (registro de conexão e de acesso a aplicações de internet), mesmo que solicitadas pelo MP ou pelas autoridades policiais ou administrativas.

Voto-Vista

Gilmar Mendes
Créditos: Reprodução / TV Justiça

Ao apresentar voto-vista em concordância com o relator, o ministro Gilmar Mendes acrescentou que o Marco Civil determina que somente os registros de conexão, que incluem informações sobre data, hora de uso, duração e endereço de IPs, podem ser solicitados pelo Ministério Público ou pela Polícia sem ordem judicial. Portanto, o requerimento do MP-PR extrapolou os limites legais, pois o conteúdo de e-mails, mensagens, fotos, contatos e históricos de localizações não se enquadra no conceito de registros de conexão. O ministro Nunes Marques também acompanhou esse entendimento.

Com informações do Supremo Tribunal Federal (STF).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.