Justiça decreta prisão preventiva de homem que tentou matar mulher em hospital de Ceilândia

Data:

pena máxima
Créditos: Burlingham | iStock

No dia 30/5, o juiz em exercício no Núcleo de Audiências de Custódia (NAC) converteu em prisão preventiva a prisão em flagrante de Cleuson Sousa de Moura Silva, nascido em 30/7/1979, detido sob suspeita de porte ilegal de arma de fogo e tentativa de feminicídio, no contexto da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06).

Durante a audiência de custódia, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) manifestou-se a favor da legalidade da prisão em flagrante e solicitou a decretação da prisão preventiva do acusado. A defesa da vítima concordou com a manifestação do MPDFT, enquanto a defesa do acusado pediu a concessão de liberdade provisória, sem a imposição de fiança.

Na decisão, o juiz observou que a prisão em flagrante realizada pela autoridade policial não apresentou irregularidades, e, portanto, decidiu não relaxá-la. Segundo o juiz, a situação regular de flagrância em que o acusado foi detido torna evidente a existência do crime e indica sua autoria, conforme relatado no auto de prisão.

"O crime em tese praticado é extremamente grave", afirmou o juiz. Portanto, "é evidente que a prisão preventiva é a única medida adequada ao caso", acrescentou o magistrado, destacando também o comportamento do acusado, que demonstra "especial periculosidade e ousadia sem igual", tornando necessária a restrição cautelar para garantir a ordem pública.

Por fim, o juiz reforçou que as medidas cautelares alternativas à prisão não são suficientes nem apropriadas, dadas a extrema gravidade do crime, as circunstâncias descritas e o descumprimento de uma medida protetiva anteriormente estabelecida pelo tribunal. Portanto, a prisão em flagrante do acusado foi convertida em prisão preventiva, e o processo foi encaminhado ao Tribunal do Júri de Ceilândia, onde a ação será processada.

Acesse o PJe1 para acompanhar o processo: 0716509-81.2023.8.07.0003

(Com informações do TJDF- Tribunal de Justiça do Distrito Federal)

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Empresa condenada por uso indevido de marca registrada

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que uma empresa cessasse a venda de roupas que utilizavam indevidamente uma marca registrada por outra empresa do mesmo segmento.

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.