Espólio pode propor anulação de doação e restabelecer bens da herança

Data:

Decisão é da 3ª Turma do STJ.

herança
Créditos: Oersin | iStock

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que o espólio pode propor ação de anulação de doação que pretende, em última análise, restabelecer bens da herança, não sendo necessário que o pedido de anulação parta do cônjuge ou herdeiro.

Com esse entendimento, a turma manteve decisão do TJ-AL que anulou a doação das cotas societárias do falecido para a concubina, fazendo com que os bens retornassem à herança.

A concubina recebeu 80% das cotas da empresa pertencentes ao doador em 1999, e em 2007, com o falecimento dele, foi admitida como administradora da sociedade, por ter a maioria das ações, por meio de liminar na Justiça. Mas, no mesmo ano, o espólio ajuizou ação para anular a doação, o que foi admitido no TJ-AL.

Após derrota na segunda instância, a concubina entrou com recurso especial no STJ alegando que a falta de outorga do cônjuge (motivo alegado para anular a doação) é hipótese de nulidade relativa, sendo que os interessados diretos (cônjuges ou herdeiros) são os únicos legítimos para requerer a invalidade do ato.

Ela também apontou que o acórdão afrontou a coisa julgada proveniente do julgamento do agravo de instrumento oriundo da decisão liminar.

Mas, para o ministro relator, Villas Bôas Cueva, o espólio é legítimo, já que o pedido está voltado à reversão dos bens ao acervo hereditário.

Ele afirmou que, “considerando a amplitude da causa de pedir no caso dos autos, é cristalina a legitimidade do espólio para pleitear a invalidade no negócio jurídico de doação. Acrescenta-se, ainda, que, como cediço, enquanto não perfectibilizada a partilha, o espólio representa os interesses dos herdeiros, de modo que também por esse motivo não há espaço para falar em sua ilegitimidade ativa”.

Sobre a liminar, ele pontuou que a tutela provisória é caracterizada pela temporariedade e precariedade, não se sujeitando à imutabilidade própria da coisa julgada. “Além disso, sobrevindo sentença, a tutela provisória é substituída pelo provimento definitivo, não havendo espaço para falar em ofensa à coisa julgada formada em provimento judicial proveniente de medida liminar”. (Com informações do Superior Tribunal de Justiça.)

Processo: REsp 1710406

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.