Filha agredida e negligenciada na infância pode se recusar a ser curadora do pai

Data:

Curatelado nunca exerceu a partenidade

filha
Créditos: Vladimir Cetinski / iStock

Filha que foi negligenciada e sofreu violência do genitor pode se recusar a ser curadora dele, de acordo com a decisão do juiz de direito da 2ª Vara da Família e Sucessões da Comarca de São Carlos.

A filha se nega a ter a incumbência sob a alegação de que foi abandonada pelo pai quando era criança e, durante o pouco tempo em que conviveu com o mesmo, foi vítima de diversas agressões.

Há nos autos que o curatelado é interditado e dependente de auxílio permanente. Suas 2 (duas) irmãs são as curadoras, no entanto uma delas distribuiu a ação judicial sob comento para se desencarregar da obrigação, tendo em vista, que em breve viajará para o exterior. Por isso, indicou a permanência da cocuradora ou a inclusão da filha do curatelado – esta, entretanto, se recusa a assumir o encargo.

Segundo o juiz de direito Caio Cesar Melluso, laudo social corrobora a falta de relação entre o curatelado e a sua filha, bem como laudo psicológico demonstra o sofrimento emocional da mesma, traumatizada pelo comportamento negligente e violento do genitor.

“Assim, ainda que seja filha do curatelado, tal como não se pode obrigar o pai a ser pai, não se pode obrigar o pai a dar carinho, amor e proteção aos filhos, quando estes são menores, não se pode, com a velhice daqueles que não foram pais, obrigar os filhos, agora adultos, a darem aos agora incapacitados amor, carinho e proteção, quando muito, em uma ou em outra situação, o que se pode é obrigar a pagar pensão alimentícia”, destacou o juiz de direito em sua decisão.

A outra irmã do curatelado continuará sendo a curadora do mesmo.

Cabe recurso da decisão.

(Com informações do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - TJSP)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Partido questiona dispensa de comprovante de vacinação contra Covid-19 em escolas de municípios de SC

A dispensa da apresentação de comprovante de vacinação contra a Covid-19 para matrícula de alunos na rede municipal de ensino em 20 municípios de Santa Catarina gerou questionamentos por parte do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que ingressou com uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 1123 no Supremo Tribunal Federal (STF).

Empresa é condenada por danos materiais e morais coletivos por arrancar e vender barbatanas de tubarões

A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região deu parcial provimento às apelações do Ministério Público Federal (MPF) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para condenar uma empresa ao pagamento de indenização por danos morais coletivos. A empresa já havia sido condenada ao pagamento de danos materiais pela comercialização de pescado sem autorização (captura ilegal de tubarões).

Funcionário dos correios é condenado por lavagem de dinheiro do tráfico

Um funcionário dos Correios foi mantido em sua condenação por lavagem de dinheiro e associação a organização criminosa relacionada ao tráfico de drogas, decidido de forma unânime pela Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5. A pena estabelecida foi de seis anos e seis meses de reclusão, a ser inicialmente cumprida em regime semiaberto, além de multa.

Criptomoedas: sócios da Braiscompany são condenados a 150 anos de prisão por esquema de R$ 1 bi

A Justiça Federal emitiu uma sentença condenatória contra o casal proprietário da Braiscompany, um esquema criminoso envolvendo criptomoedas acusado de movimentar ilegalmente mais de R$ 1 bilhão, impondo-lhes uma sentença combinada de aproximadamente 150 anos de prisão por crimes contra o sistema financeiro nacional e a economia popular. Esta decisão está sujeita a recurso.