TRT determina a retirada de indisponibilidade de bens de empresa agrícola

Data:

Bens imóveis
Créditos: sondem / Shutterstock.com

A Terceira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (TRT-GO) manteve a penhora em 5 (cinco) bens imóveis de uma empresa agrícola para garantir o pagamento de uma dívida trabalhista de aproximadamente R$306.000,00 (trezentos e seis mil reais), ao acompanhar o voto do relator, desembargador Elvecio Moura dos Santos.

No entanto, sobre a indisponibilidade gravada sobre outros bens da mesma empresa agrícola, o relator adotou a divergência apresentada pela desembargadora Silene Coelho para determinar a retirada de indisponibilidade sobre eles, e adaptou o voto, neste particular, sendo acompanhado pela Terceira Turma.

A empresa agrícola recorreu de decisão de primeiro grau da 2ª Vara do Trabalho de Rio Verde (GO) que manteve a penhora sobre 5 (cinco) bens imóveis da empresa agrícola, além da determinação de indisponibilidade sobre outros 13 (treze) bens imóveis.

Afirmou que os valores dos bens imóveis penhorados superavam em quase R$100.000,00 (cem mil reais) o valor da condenação corrigido. Afirmou que além da penhora ser excessiva, a medida recaiu sobre bens essenciais ao funcionamento empresarial.

O relator considerou que a empresa agrícola estava, em parte, com razão. Elvecio Moura observou que o valor devido nos autos, atualizado até junho de 2022, estaria chegando a pouco mais de R$306.000,00 (trezentos e seis mil reais). Para a garantia da execução foram penhorados 5 (cinco) bens imóveis, que juntos somam o valor de R$375.000,00 (trezentos e setenta e cinco mil reais), não havendo falar em excesso de penhora. O desembargador destacou que, depois do leilão, eventual saldo remanescente será devolvido à empresa agrícola.

Acerca da alegação de que os bens imóveis seriam essenciais ao funcionamento da empresa, Elvecio Moura destacou que não há previsão legal para a impenhorabilidade dos bens imóveis.

Em relação aos bens imóveis gravados com cláusula de indisponibilidade, o relator destacou que, inicialmente entendia que não seria excessiva a determinação judicial, tendo em vista que não são bens indispensáveis ao funcionamento da empresa agrícola devedora. Entretanto, o desembargador acolheu a divergência apresentada pela desembargadora Silene Coelho para determinar a retirada da indisponibilidade dos bens imóveis.

A desembargadora votou no sentido de que, para se garantir o valor da execução, a penhora dos 5 (cinco) bens imóveis seria suficiente para satisfazer o crédito trabalhista.

Para ela, a indisponibilidade de outros bens imóveis de propriedade da empresa agrícola executada seria excessiva e, por isso, votou no sentido de determinar a retirada de indisponibilidade.

Processo: 0010866-60.2022.5.18.0102 - Acórdão

(Com informações do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (TRT-GO))

EMENTA

EXECUÇÃO. PENHORA SOBRE CINCO IMÓVEIS DO DEVEDOR. EXCESSO DE PENHORA. INOCORRÊNCIA. Considerando que a penhora sobre apenas quatro dos imóveis do executado não é o bastante para a satisfação do crédito trabalhista, não há se falar em excesso de penhora em relação aos bens de matrícula 10.889, 10.890, 10.891, 10.892 e 10.893. (TRT18 - PROCESSO TRT - AP - 0010866-60.2022.5.18.0102 RELATOR : DESEMBARGADOR ELVECIO MOURA DOS SANTOS AGRAVANTE : COLUMBIA AGROPECUARIA E PARTICIPACOES S/A ADVOGADO : LUIS GUSTAVO NICOLI AGRAVADO : JAIRO ALVES DE CARVALHO ADVOGADO : JOURDAN A. B. CRUVINEL ORIGEM : 2ª VARA DO TRABALHO DE RIO VERDE-GO JUIZ : DANIEL BRANQUINHO CARDOSO - DATA DO JULGAMENTO: 10/03/2023)

Fazenda é condenada a indenizar agricultor baleado por caseiro
Créditos: Surne1shots / shutterstock.com
Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP mantém condenação de acusados que aplicavam golpe em locadora de veículos

A 7ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão da 13ª Vara Criminal da Capital, sob a juíza Erika Fernandes, que condenou três homens por associação criminosa, com um deles também condenado por estelionato, relacionado a um golpe praticado contra uma locadora de veículos. As penas impostas, variando entre um e dois anos de reclusão, foram convertidas em medidas alternativas, incluindo prestação pecuniária e serviços comunitários.

Tribunal nega devolução em dobro após depósito realizado por engano

A 2ª Vara Cível de Araraquara julgou um caso envolvendo a devolução de R$ 37 mil que foram depositados por engano em uma empresa após um contrato de securitização de ativos empresariais. Após o acordo, a empresa não mais gerenciava os ativos, mas recebeu indevidamente o depósito de uma devedora. A empresa devolveu o dinheiro 14 dias após o depósito, mas apenas depois que a ação foi ajuizada, o que levou a autora a pedir a devolução em dobro, alegando retenção indevida do montante.

Estado indenizará estudante trans depois de ofensas de professor

A Vara da Fazenda Pública de Guarujá condenou o Estado de São Paulo a pagar uma indenização por danos morais no valor de R$ 8 mil a uma estudante trans, devido a comentários ofensivos feitos por um professor sobre a comunidade LGBT em sala de aula. Além disso, foi estabelecido um pagamento de R$ 800 por danos materiais, referente aos custos com tratamento psicológico que a estudante teve após o incidente.

Ré é condenada por uso de embalagem similar ao da concorrente

A 5ª Vara Cível de Barueri condenou uma empresa do ramo alimentício por praticar concorrência desleal ao comercializar geleias em potes e embalagens muito parecidos com os de uma marca concorrente. A decisão judicial ordenou que a empresa ré cessasse o uso desses produtos e determinou o pagamento de uma indenização por danos materiais, cujo montante será definido na fase de liquidação do processo.