Mulher que recebia esgoto de presídio em seu terreno deve ser indenizada

Data:

Ceará foi condenado a pagar R$10 mil de indenização por danos morais

Uma mulher que recebia esgoto de presídio em seu terreno deve ser indenizada. O entendimento unânime é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

esgoto
Créditos: Kaidet / iStock

No caso, a mulher comprovou que o esgoto da Casa de Ressocialização Santa Terezinha, em Uruburetama (CE), foi direcionado para sua casa durante três anos.

O do Estado do Ceará foi condenado em primeiro grau a arcar com os danos materiais decorrentes da situação e pagar indenização por danos morais no valor de R$10 mil.

Saiba mais:

O tribunal de segunda instância manteve a sentença por entender que a condenação por danos morais era razoável diante de todo o desgaste emocional e da falta de qualidade de vida a que a moradora foi submetida nesse período.

O Estado argumentou, no recurso especial ao STJ, que que houve condenação ultra petita pois a mulher havia pedido indenização no valor de R$6 mil e que rever a sentença não violaria a Súmula 7, que proíbe o reexame de provas.

O ministro relator Sérgio Kukina afirmou que alterar as conclusões adotadas pela corte de origem demandaria, necessariamente, novo exame do acervo de provas disponível nos autos, o que estaria em desacordo com a súmula em questão.  

Sobre o valor da indenização, Kukina explicou que a alegação é uma inovação recursal, já que não foi submetida ao STJ nas razões do recurso especial mas apenas no agravo interno dirigido à Primeira Turma, o que impede a sua apreciação.

REsp 1776907

Clique aqui para ler a decisão.

Notícia produzida com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.

Hysa Conrado
Hysa Conrado
É jornalista, formada pela Universidade São Judas. Tem experiência na cobertura do Poder Judiciário, com foco nas cortes estaduais e superiores. Trabalhou anteriormente no SBT e no portal Justificando/Carta Capital.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.