Sustentações orais poderão ser feitas por videoconferência a partir de março no TRT10

Data:

Sustentações orais poderão ser feitas por videoconferência a partir de março no TRT10
Créditos: aerogondo2 / Shutterstock.com

O ano de 2017 começa com uma grande novidade para os advogados que atuam no TRT da Décima Região, em Tocantins: a partir de março, será possível realizar sustentações orais por videoconferência nas audiências da 1ª, 2ª e 3ª Turmas do Tribunal. Os equipamentos adquiridos na licitação feita no final do ano passado serão instalados em breve e, inicialmente, estarão disponíveis nos Foros de Palmas e de Araguaína (TO).

Com essa tecnologia, os advogados que antes precisavam vir até Brasília para representar seus clientes nos julgamentos de processos que tramitam na segunda instância, agora poderão fazer o trabalho sem sair de suas cidades, conectados por uma câmera e equipamentos de transmissão por vídeo. “Vamos instalar dispositivos e ferramentas de última geração e alta tecnologia que permitam aos advogados excelente conexão e qualidade na transmissão tanto de áudio quanto de vídeo”, explica Gustavo de Almeida Rocha, secretário de Tecnologia da Informação e Comunicações.

Experiência bem sucedida

Em julho de 2016, o TRT10 realizou pela primeira vez a transmissão por videoconferência de uma sustentação oral em Tocantins. A experiência ocorreu em uma audiência da Primeira Turma e foi bem sucedida tanto para os magistrados que estavam na sala de sessões quanto para os advogados que participaram da sustentação oral no outro estado.

Com essa novidade, o Tribunal vai encurtar caminhos, facilitando o acesso à informação e à Justiça do Trabalho. Trata-se de uma solução importante que, futuramente, também vai permitir a realização de treinamentos e capacitações para magistrados e servidores do Tocantins.

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 10a. Região

Wilson Roberto
Wilson Robertohttp://www.wilsonroberto.com.br
Advogado militante, bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Federal da Paraíba, MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas, professor, palestrante, empresário, Bacharel em Direito pelo Unipê, especialista e mestre em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa. Atualmente é doutorando em Direito Empresarial pela mesma Universidade. Autor de livros e artigos.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Empresa condenada por uso indevido de marca registrada

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que uma empresa cessasse a venda de roupas que utilizavam indevidamente uma marca registrada por outra empresa do mesmo segmento.

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.