Casal que torturou e cometeu bullying com filha adolescente é condenado a quatro anos de prisão

Data:

Mãe e padrasto de jovem condenados a quatro anos de prisão

Tortura e Bullying
Créditos: Rawf8 / iStock

O Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina (TJSC) confirmou a sentença condenatória de um casal pelos crimes de tortura e maus-tratos impingidos a filha adolescente em cidade do norte do estado de Santa Catarina.

A genitora e o padrasto da adolescente foram condenados na pena de quatro anos e oito meses de reclusão, em regime fechado, mais três meses e quatro dias de detenção, no semiaberto. O sofrimento da jovem perdurou durante quatro anos, período em que a vítima tinha de 12 a 16 anos de idade.

A garota sofria intenso bullying ao ser tratada por apelidos pejorativos como "empregadinha" e "escrava branca", no entanto, deve ser dito que a jovem era quase sempre espancada com uma cinta e tinha suas feridas limpas com água e sal.

Em uma oportunidade, a vítima foi obrigada a tomar sua própria urina e a de seus responsáveis, misturadas com água do vaso sanitário. O fato tão somente foi descoberta por uma orientadora educacional, que notou o comportamento estranho da adolescente no colégio e se aproximou da mesma para tentar entender o que se passava.

Ministério Público do Estado de Santa Catarina - MPSCComunicado, o Ministério Público do Estado de Santa Catarina (MPSC) encampou o caso, que foi parar na Justiça. Condenados em primeira instância, a mãe e o padrasto da jovem apelaram ao Tribunal de Justiça de Santa Catarinta (TJSC) com pedido de absolvição sob a alegação de falta de provas.

De forma subsidiária, os réus clamaram pela desclassificação do crime de tortura para somente maus-tratos. Ambos sustentaram que agiram sem dolo e com o intuito de corrigir o comportamento da adolescente, que começou a namorar um jovem supostamente envolvido com o tráfico de drogas.

O padrasto chegou a solicitar a um amigo, policial militar, que revistasse a jovem e seu quarto para descobrir alguma coisa e aplicar um susto. Na ocasião, nada foi encontrado.

Desembargadora Salete Sommariva - TJSC
Créditos: Reprodução / Canal da OABSC no Youtube

"(...) a menor foi submetida a castigos físicos (...), além de privação de alimentação, mesmo após constatarem que ela não possuía nada de ilícito (...), ou seja, tudo por uma convicção infundada dos réus, o que demonstra não haver qualquer caráter pedagógico na punição. Para mais, estas condutas foram praticadas em um contexto de constante humilhação contra a menor, a qual era chamada por diversos apelidos depreciativos", assinalou a desembargadora Salete Sommariva, relatora da matéria, em seu voto.

A decisão foi unânime. A sessão da 2ª Câmara Criminal do TJ de Santa Catarina foi presidida pelo desembargador Volnei Celso Tomazini e dela também participou o desembargador Sérgio Rizelo. O processo judicial tramita em segredo de justiça.

(Com informações do Tribunal de Justiça de Santa Catarina - TJSC)

Stop Bullying - Torura - Prisão
Créditos: sefa ozel / iStock
Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Arquiteta é condenada por não concluir reforma em apartamento de cliente

A 3ª Vara Cível da Comarca de Natal, no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), proferiu sentença condenando uma arquiteta, prestadora de serviços de reforma em imóveis, ao pagamento de indenização por danos materiais de R$ 74.805,00, acrescidos de multa contratual estipulada em R$ 22 mil, em razão da não conclusão, no prazo acordado, da obra em um apartamento de um cliente. Além disso, a profissional foi condenada a pagar uma indenização por danos morais em favor do autor no valor de R$ 10 mil.

A primeira turma do STF decide tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da PMDF por omissão em atos antidemocráticos

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), todos suspeitos de omissão durante os atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023, quando as sedes dos Três Poderes foram invadidas e depredadas. A sessão de julgamento, que é virtual, está prevista para durar até 20 de fevereiro. Os ministros Cristiano Zanin e Cármen Lúcia seguiram o voto do relator, Alexandre de Moraes. Falta o voto do ministro Luiz Fux.

STF inspaciona desintrusão da Terra Indígena Trincheira-Bacajá (PA)

Uma missão oficial liderada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), com representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Presidência da República, esteve em operação no último dia 4 para inspecionar o progresso da desintrusão da Terra Indígena (TI) Trincheira-Bacajá, localizada no estado do Pará (PA). Durante a visita, foram realizados sobrevôos em áreas-chave da reserva e reuniões com líderes indígenas do povo Xikrin.

Dupla é condenada por saída do país com dinheiro não declarado à Receita Federal

A 7ª Vara Federal de Porto Alegre emitiu sentença, no dia 6 de fevereiro, condenando dois indivíduos pelo crime de evasão de divisas. Ambos foram flagrados transportando dinheiro em espécie para fora do país sem declará-lo à Receita Federal.