TJ-SP condena companhia aérea por impedir a permanência no voo de passageira com deficiência física

141
Créditos: Chalabala / Envato Elements O TJ-SP manteve a sentença de primeiro grau que condenou uma companhia aérea ao pagamento de indenização de R$ 25 mil, a título de danos morais, à passageira com deficiência física que foi de continuar em voo. O caso Créditos: Sajee Rod / Shutterstock.com De acordo com os autos, a autora comunicou previamente a empresa sobre sua necessidade de cadeira de rodas para se locomover a seu assento. O trajeto entre Portugal e São Paulo correu sem incidentes, mas, na viagem de volta, quando se encontrava acomodada, foi informada que, por determinação do comandante, não poderia prosseguir no voo. Ela foi retirada da aeronave e aguardou horas no saguão do aeroporto, sem assistência material, até ser realocada em voo de outra companhia aérea. A companhia aérea afirmou que a negativa de embarque decorreu da ausência de acompanhante e pelo fato de a autora ter apresentado atestado médico antigo. Diante disso, o comandante não poderia aferir se havia segurança para que realizasse voo de longa duração. A decisão do TJ-SP O relator afirmou que o juiz de 1º grau analisou corretamente as provas produzidas e as controvérsias, destacando que “todo aquele que se predispõe a exercer

Este conteúdo é restrito para usuários cadastrados do site e é GRÁTIS. Cadastre-se GRATUITAMENTE e tenha acesso já ao conteúdo. Se já for cadastrado, faça o login. Para novos usuários basta preencher o cadastro.

Login de usuários cadastrados