Vara do Júri realiza julgamento de ex-policial acusado de participar da morte de empresário

Data:

Juiz concede indenização a eletricista que teve braços e perna amputados após acidente do trabalho
Créditos: Andrey_Popov / Shutterstock.com

A Vara do Júri de Fortaleza está realizando o julgamento do ex-policial militar Jean Charles da Silva Libório, acusado de participar do homicídio do empresário Francisco Francélio de Holanda Filho. A sessão, presidida pelo juiz Henrique Jorge Holanda Silveira, teve início por volta de 13h30 e deve se estendeu até a noite de sexta-feira (26/05).

O crime ocorreu na noite do dia 8 de julho de 2010. O carro dirigido pela vítima foi interceptado por duas pessoas que estavam em uma moto, no cruzamento das ruas João Cordeiro com Padre Valdevino, em Fortaleza. A dupla disparou vários tiros contra o empresário, que não teve chances de defesa e faleceu no local.

A acusação, patrocinada pelo promotor de Justiça Ricardo Machado, afirma que o homicídio teria sido encomendado pelo empresário iraniano Farhad Marvizi. A motivação do crime seria o fato de que Farhad, proprietário de lojas de produtos eletrônicos, estaria importando mercadorias de forma ilegal, conseguindo praticar preços muito inferiores ao de seus concorrentes. Francélio, que também era empresário desse ramo, teria passado a informar a um auditor da Receita Federal sobre as ilegalidades praticadas pelo iraniano.

Ainda de acordo com o Ministério Público, Jean Charles, que à época era sargento da Polícia Militar, teria sido o responsável por contatar os pistoleiros responsáveis pela execução do crime. O réu, porém, nega qualquer envolvimento no crime e sua defesa, patrocinada pelos advogados Delano Cruz e Silvio Vieira, pede a absolvição.

Os outros dois réus que foram pronunciados pelo crime, Farhad Marvizi e Maykson Gleytson de Castro Jacó, recorreram da decisão e aguardam julgamento do recurso pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE).

 

Fonte: Tribunal de Justiça do Ceará

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP mantém condenação de acusados que aplicavam golpe em locadora de veículos

A 7ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão da 13ª Vara Criminal da Capital, sob a juíza Erika Fernandes, que condenou três homens por associação criminosa, com um deles também condenado por estelionato, relacionado a um golpe praticado contra uma locadora de veículos. As penas impostas, variando entre um e dois anos de reclusão, foram convertidas em medidas alternativas, incluindo prestação pecuniária e serviços comunitários.

Tribunal nega devolução em dobro após depósito realizado por engano

A 2ª Vara Cível de Araraquara julgou um caso envolvendo a devolução de R$ 37 mil que foram depositados por engano em uma empresa após um contrato de securitização de ativos empresariais. Após o acordo, a empresa não mais gerenciava os ativos, mas recebeu indevidamente o depósito de uma devedora. A empresa devolveu o dinheiro 14 dias após o depósito, mas apenas depois que a ação foi ajuizada, o que levou a autora a pedir a devolução em dobro, alegando retenção indevida do montante.

Estado indenizará estudante trans depois de ofensas de professor

A Vara da Fazenda Pública de Guarujá condenou o Estado de São Paulo a pagar uma indenização por danos morais no valor de R$ 8 mil a uma estudante trans, devido a comentários ofensivos feitos por um professor sobre a comunidade LGBT em sala de aula. Além disso, foi estabelecido um pagamento de R$ 800 por danos materiais, referente aos custos com tratamento psicológico que a estudante teve após o incidente.

Ré é condenada por uso de embalagem similar ao da concorrente

A 5ª Vara Cível de Barueri condenou uma empresa do ramo alimentício por praticar concorrência desleal ao comercializar geleias em potes e embalagens muito parecidos com os de uma marca concorrente. A decisão judicial ordenou que a empresa ré cessasse o uso desses produtos e determinou o pagamento de uma indenização por danos materiais, cujo montante será definido na fase de liquidação do processo.