Vítima de assalto em estacionamento comercial será indenizada

Data:

Vítima de assalto
Créditos: Djedzura | iStock

A 6ª Câmara Cível do TJRJ reformou a sentença de primeiro grau e determinou que o mercado Hortifruti indenize, por danos morais, em R$ 10 mil um empresário que foi assaltado em seu estacionamento e que pague o valor de mercado de um relógio de ouro Rolex que lhe foi roubado.

O empresário estava estacionando seu carro no estacionamento, que é tarifado, ao ser abordado por assaltante com uma arma. Ele entregou-lhe o relógio Rolex, modelo Oyster Perpetual.

A relatora destacou que não houve qualquer excludente de ilicitude e que “a atuação de criminosos em estacionamento de mercados inclui-se na esfera de previsibilidade do empreendedor, tratando-se de prática comum – e nefasta – nos dias atuais”. Por isso, considerou que o roubo se inclui no risco inerente ao exercício da atividade empresarial como fortuito interno.

Para arbitrar o valor da indenização, a Câmara levou em consideração “a gravidade dos fatos, bem como extensão da lesão e sua repercussão na esfera psicológica do autor, que estava acompanhado de sua esposa, e, por certo, temeu, ainda, por sua segurança e integridade física, em razão da ocorrência do delito”. (Com informações do Jota.Info.)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.