Prefeitura não poderá multar motoristas de apps por falta de inspeção em SP

Data:

Prefeitura não poderá multar motoristas de apps por falta de inspeção em SP
Créditos: Rostislav_Sedlacek | iStock

Em decisão liminar, em ação movida pela Uber, o TJSP impediu que a gestão Bruno Covas multe motoristas de aplicativos por não terem feito a inspeção veicular de seus automóveis. Na ação, a empresa diz que recebeu relatos de seus motoristas de que receberam multas indevidamente aplicadas pela prefeitura.

A prefeitura iniciou algumas ações de controle e apreensão desses veículos em abril deste ano. Quase 20 mil carros foram fiscalizados pelo Departamento de Transportes Públicos (DTP) e 1.200 motoristas foram autuados por realizarem transporte de passageiros pelo aplicativo clandestinamente, sem os documentos obrigatórios, como Conduapp (cadastro municipal dos condutores, obtido após curso online) e CSVAPP (obtido após vistoria do veículo).

Se flagrado na fiscalização sem tal documentação, o motorista recebe multa de R$ 5.100 e têm o veículo apreendido, além de ter de arcar com taxa de remoção do carro de R$ 673 e com o valor da estadia de R$ 54,90.

Na decisão, o juiz pontuou que os municípios não podem contrariar as definições sobre o tema em escala federal, o Código Brasileiro de Trânsito e a Constituição, sobre o transporte de passageiros por veículos remunerados. O tema foi objeto de decisão de maio do Supremo Tribunal Federal. A legislação federal não prevê inspeção para esses veículos, de acordo com o juiz. 

A prefeitura disse que ainda não foi notificada da decisão, mas a secretaria municipal de Justiça já preparava a documentação do recurso à Justiça.

A Uber do Brasil enviou nota à Folha de S. Paulo dizendo que "a exigência de vistoria não tem previsão na Lei Federal 13.640, que regulamentou os aplicativos e baliza as regulações municipais, conforme entendimento consolidado pelo STF". Ela ainda disse que lançou programa de qualidade para "apoiar parceiros a vistoriarem continuamente seus veículos e a implantarem as revisões e melhorias que vão beneficiar as viagens de toda a comunidade."

O vereador Adilson Amadeu, do PTB, diz que a liminar prejudica a segurança dos usuários dos aplicativos, já que diversos carros apresentam problemas mecânicos, pneus gastos etc. O vereador é ligado à categoria dos taxistas e é autor de um projeto de lei que limita em 50 mil o número de veículos de aplicativos e de táxis na cidade.

Ele pontuou: "Na época em que as lotações foram reguladas tivemos os mesmo problemas. A prefeitura, então, ofereceu diretrizes de funcionamento e hoje é uma atividade regularizada e com bom nível de segurança. É o que deverá acontecer com os veículos de aplicativo".

(Com informações da Folha de S. Paulo)

Leia também:           

 

Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas Certificação Digital. Acesse a plataforma de assinatura de documentos com certificado digital de maneira fácil e segura.

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Latam é condenada a indenizar passageira por extravio definitivo de bagagem

A Quarta Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) manteve a sentença proferida pelo Juízo da 1ª Vara Cível da Comarca da Capital, condenando a Latam Airlines Group ao pagamento de indenização por danos materiais no valor de R$ 16.020,19 e por danos morais no montante de R$ 10.000,00, em razão do extravio definitivo de bagagem em transporte aéreo nacional. O caso foi julgado na Apelação Cível nº 0841512-15.2021.8.15.2001, da relatoria do desembargador Oswaldo Trigueiro do Valle Filho.

Município de São Paulo deve fornecer transporte gratuito a criança com Síndrome de Down

Por unanimidade, a 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve decisão da 4ª Vara da Fazenda Pública da Capital, proferida pelo juiz Antonio Augusto Galvão de França, que condenou o Município de São Paulo e a São Paulo Transporte S/A (SPTrans) a fornecerem transporte gratuito de criança com Síndrome de Down à instituição de educação e desenvolvimento que frequenta.

Mantida multa de R$ 400 mil por omissão de informações em pescado para exportação

A Justiça Federal negou o pedido de uma empresa de pescados de Itajaí (SC) para que fosse anulada uma multa de R$ 400 mil, aplicada pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em denominação de 2017) por omitir informações acerca de produtos destinados à exportação. A sentença da 3ª Vara Federal local, do início deste mês, entendeu que não houve ilegalidade no procedimento da administração.

Empresa de transporte indenizará por danos morais pessoa com deficiência

A 11ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve decisão da 1ª Vara Cível do Foro Regional de Penha da França, proferida pelo juiz Alvaro Luiz Valery Mirra, que condenou empresa de transporte a indenizar passageiro com deficiência que precisou ser carregado por funcionários para embarcar e desembarcar de ônibus, apesar do veículo ter adesivo com o símbolo internacional de acesso. A indenização por danos morais foi reduzida para R$ 10 mil.