TRF2 mantém condenação de ré por estelionato qualificado contra a CEF

Data:

TRF2 mantém condenação de ré por estelionato qualificado contra a CEF
Créditos: beeboys / Shutterstock.com

Em decisão unânime, a Primeira Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) manteve a condenação da ré, E.M.P., pela prática do crime de estelionato qualificado, tipificado no artigo 171, §3°c/c artigo 14, II, e artigo 299, na forma do artigo 69, todos do Código Penal (CP). Consta da denúncia, formulada pelo Ministério Público Federal (MPF), que a acusada se apresentou com nome falso perante a Caixa Econômica Federal (CEF), objetivando empréstimo consignado no valor de R$ 55 mil.

Acontece que o funcionário do banco, desconfiando das informações fornecidas, solicitou que ela retornasse no dia seguinte para finalizar a transação bancária. Foi quando acionou o setor de segurança, o qual confirmou que a pessoa que estava tentando conseguir o empréstimo não era a correntista citada. Quando então, E.M.P. retornou à agência para efetivar o empréstimo, o funcionário, instruído por policiais federais, deixou que o procedimento seguisse os trâmites normais, até que, após a assinatura no contrato, foi dada voz de prisão à acusada, com a consequente prisão em flagrante por tentativa de fraude.

Em seu recurso, a defesa alegou que não há provas suficientes para a condenação, requerendo a absolvição ou, ao menos, redução da pena. Contudo, na análise do relator do processo no TRF2, o desembargador federal Abel Gomes, a conduta da ré violou o artigo 171 do CP. “Entendo não restar dúvida de que a acusada é autora das condutas a ela imputadas (…). As testemunhas arroladas pela acusação confirmaram os fatos narrados na denúncia, em sede policial e judicial”, pontuou.

O magistrado também rebateu a alegação da defesa que seria um caso de crime impossível. Em seu voto, explica que, conforme o artigo 17 do CP, “crime impossível é aquele que jamais poderia ser consumado em razão da ineficácia absoluta do meio empregado ou pela absoluta impropriedade do objeto”, ou seja, quando o instrumento utilizado não permite que o delito possa ser consumado. O que, segundo ele, não é o caso dos autos.

“Note-se que se está diante de ineficácia relativa do meio, na qual o meio utilizado pela agente poderia vir ou não a causar o resultado, sendo a falsificação utilizada meio hábil a enganar o homem médio, de boa-fé, não tendo enganado os funcionários da CEF, somente por terem sido treinados a realizar diligências no caso de remota possibilidade de uma suposta fraude”, explicou Abel Gomes.

Quanto à individualização da pena, o desembargador entendeu que a pena-base deve ser fixada, no mínimo legal, em um ano de reclusão e dez dias-multa, no valor unitário mínimo, mantendo o acréscimo de 1/3 previsto no §3º do artigo 171 do CP, mas reduzindo em 1/3 em razão da tentativa.

“O que resultou em uma pena definitiva de um ano, quatro meses e 13 dias-multa, valor unitário mínimo. (…) Pena essa substituída por duas restritivas de direitos: prestação de serviço à comunidade e prestação pecuniária, consistente no pagamento de dois salários mínimos em gênero alimentícios, material escolar e medicamentos, a serem definidos pelo Juízo da execução”, finalizou o relator, seguindo os moldes definidos na sentença.

Processo: 0020089-84.2014.4.02.5101 

Fonte: Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2)

Ementa:

PENAL E PROCESSO PENAL. ESTELIONATO QUALIFICADO. CEF. EMPRÉSTIMO CONSIGNADO. MATERIALIDADE E AUTORIA. COMPROVAÇÃO. DOSIMETRIA. PENA-BASE. I - A materialidade e a autoria delitiva restaram inquestionavelmente comprovadas, como se verifica no Auto de Prisão em Flagrante, no Laudo de Exame Documentoscópico e nas declarações prestadas em sede policial e judicial. II - A recorrente foi a agência bancária em dois momentos distintos, utilizando documento falso para realizar o empréstimo fraudulento, assinando por livre vontade os documentos relativos para tanto. Conduta típica. III - O crime impossível é aquele que jamais poderia ser consumado em razão da ineficácia absoluta do meio empregado ou pela absoluta impropriedade do objeto, conforme estabelece o art. 17 do CP. IV - Os documentos apresentados pela acusada, quando da tentativa de obtenção do empréstimo consignado, se prestava perfeitamente para a prática do golpe. A falsificação da identidade só foi descortinada em virtude de pesquisa realizada pela bancária junto à verdadeira correntista. V - Ausência de circunstâncias judiciais desfavoráveis. Redução da pena-base. VI - Recurso da defesa parcialmente provido. (TRF2 -  Classe: Apelação - Recursos - Processo Criminal. Órgão julgador: 1ª TURMA ESPECIALIZADA. Data de decisão 11/11/2016. Data de disponibilização 21/11/2016. Relator ABEL GOMES)

Wilson Roberto
Wilson Robertohttp://www.wilsonroberto.com.br
Advogado militante, bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Federal da Paraíba, MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas, professor, palestrante, empresário, Bacharel em Direito pelo Unipê, especialista e mestre em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa. Atualmente é doutorando em Direito Empresarial pela mesma Universidade. Autor de livros e artigos.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.