TJMG nega indenização por suposta falha em vasectomia

Data:

Homem alegava erro médico, porém acontecimento raro pode ter sido a causa

Vasectomia
Créditos: Shidlovski / iStock

A Décima Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) decidiu rejeitar o pedido de indenização de um paciente que, depois e realizar vasectomia, teve 2 (dois) filhos. O entendimento foi o mesmo da Comarca de Conselheiro Lafaiete (MG).

O homem buscou um médico para realizar o procedimento médico de vasectomia e, conforme descreveu na demanda judicial, o profissional médico garantiu que ele ficaria plenamente esterilizado. Porém, tempos depois a sua esposa o informou de que estava grávida. Dois anos após o nascimento desse filho, receberam a notícia de que seriam pais novamente.

A parte autora da demanda judicial afirmou que passou por constrangimento ao ter a fidelidade de sua esposa questionada e, por isso, pediu uma indenização a título de danos morais. Ademais, solicitou que tanto o hospital quanto o médico fossem condenados a reparar os danos materiais concernentes às despesas de manutenção das crianças até completarem 18 (dezoito) anos.

Contradições

Em sua contestação, o hospital alegou que exames feitos depois da cirurgia indicaram o sucesso do procedimento médico e apontou contradições no depoimento do homem. Segundo alegam, como a vasectomia foi feita no mês de novembro do ano de 2004, não é possível que a concepção do primeiro filho, que nasceu no mês de janeiro do ano de 2005, tenha ocorrido depois da cirurgia.

Já em relação ao segundo filho, que de fato nasceu depois do procedimento de vasectomia ter sido realizado, a relatora, desembargadora Shirley Fenzi Bertão, destacou um trecho do laudo pericial.

Segundo o documento, a vasectomia é um método seguro e efetivo de contracepção permanente, quando realizado com os cuidados técnicos recomendados, e tem eficácia superior à maior parte dos demais procedimentos contraceptivos. No entanto, não é isenta de falhas.

O laudo pericial ainda destaca que a recanalização temporária dos dutos deferentes, por onde passa o esperma, é o que pode ter causado a gestação inesperada. O evento, apesar de muito raro, pode acontecer.

Votos

Diante dos fatos, a magistrada entendeu que não foi comprovada a falha na prestação do serviço ou negligência e, por isso, não cabe indenização por danos morais e materiais.

Acompanharam a relatora os desembargadores Adriano de Mesquita Carneiro e Marcos Lincoln.

Apelação Cível  1.0183.08.153550-6/001 - Acórdão (inteiro teor para download).

(Com informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais - TJMG)

EMENTA:

APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO INDENIZATÓRIA - PROCEDIMENTO CIRÚRGICO - VASECTOMIA - REVERSÃO ESPONTÂNEA - FALHA NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO - VERIFICAÇÃO AUSENTE - ATO ILÍCITO NÃO CARACTERIZADO - DEVER DE REPARAR - AUSÊNCIA.
-Nos termos do artigo 14, do Código de Defesa do Consumidor, a responsabilidade do médico, na condição de profissional liberal, é subjetiva.
-A reversibilidade da vasectomia, depois de constatado o sucesso do procedimento, emerge como ocorrência rara não podendo ser prevista.
-Ausente comprovação da conduta ilícita por parte do requerido, não há que se falar em dever de indenizar.
(TJMG -  Apelação Cível  1.0183.08.153550-6/001, Relator(a): Des.(a) Shirley Fenzi Bertão , 11ª CÂMARA CÍVEL, julgamento em 05/02/2020, publicação da súmula em 11/02/2020)
-----

Clique aqui para conhecer a Plataforma de Assinaturas Juristas Signer.

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Mantida condenação ao Serasa por negativação de CPF sem comunicação devida

A Segunda Turma Recursal de João Pessoa manteve uma decisão que condenou a Serasa ao pagamento de indenização por danos morais, no valor de R$ 3 mil, devido à falta de notificação adequada sobre a inscrição do nome de um consumidor em cadastro restritivo de crédito. O entendimento é de que a notificação deve ser enviada por correspondência ao endereço do consumidor, sendo vedada a notificação exclusiva por e-mail ou mensagem de texto de celular (SMS).

Bradesco é condenado a restituir cliente vítima do "golpe do falso boleto"

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal, por unanimidade, decidiu manter a decisão que condenou o Banco Bradesco S/A a restituir um homem que foi vítima do "golpe do falso boleto". A instituição financeira deverá desembolsar a quantia de R$ 12.274,76, conforme determinado pelo processo de número 0701998-69.2023.8.07.0006.

Homologado Plano de Recuperação Judicial do Grupo Americanas pela 4ª Vara Empresarial do TJRJ

Na segunda-feira, dia 26 de fevereiro, o juiz Paulo Assed Estefan, titular da 4ª Vara Empresarial da Capital do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), homologou o Plano de Recuperação Judicial do Grupo Americanas. A homologação ocorreu exatamente um ano e seis dias após o deferimento do processamento de recuperação judicial do grupo pelo mesmo magistrado.

Supremo suspende julgamento de recursos relacionados à nulidade de provas em acordo de leniência da Odebrecht

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) tomou uma decisão importante durante a sessão desta terça-feira (27), ao suspender o julgamento de três recursos referentes à anulação de provas obtidas dos sistemas Drousys e My Web Day B, utilizadas no acordo de leniência entre o Ministério Público Federal (MPF) e a Odebrecht, atualmente denominada Novonor, no contexto da Operação Lava Jato.