Legal design para advogados: como usar no dia a dia

Legal Design para Advogados
Créditos: Fabian Wiktor / Pexels

Inovação é uma palavra que está ganhando cada vez mais espaço no dia a dia da advocacia. Afinal, diante de um mercado competitivo, nada mais estratégico do que inovar para sair na frente. Nesse contexto, o Legal Design para advogados é uma abordagem que vem despertando a curiosidade e pode ser um meio para que escritórios e advogados aprimorem tanto o ambiente de trabalho e a rotina, quanto a prestação de serviços jurídicos. 

O Legal Design nada mais é do que a união do Direito com o Design Thinking, visando a inovação e o aprimoramento tanto da prestação de serviços jurídicos quanto da tutela jurisdicional. Essa abordagem, que surgiu em 2013 na Universidade de Stanford, já chegou ao Brasil e conta com alguns projetos pioneiros como este da Vara Criminal do Paraná. Muito do que o Legal Design promove é a acessibilidade, tornando tanto o Direito, quanto a Justiça e até a advocacia algo mais próximo e efetivo para o público em geral. 

No dia a dia do advogado, o Legal Design tem inúmeras aplicações e pode ser usado de forma ampla, tanto para melhorar a comunicação dentro do escritório e com clientes, quanto para aprimorar a prestação de serviços como um todo. Neste artigo, vamos tratar um pouco sobre o Legal Design na prática e como ele pode se transformar em uma ferramenta para advogados e escritórios que querem inovar.

Legal Design na prática

Como já falamos em outro artigo, o Legal Design não é uma metodologia, mas sim uma abordagem. A ideia é identificar problemas, falhas ou questões decorrentes do uso ou da realização de um determinado produto ou serviço para então aprimorá-los. O objetivo do Legal Design não é apenas identificar problemas, mas sim mapeá-los, com o intuito de promover soluções efetivas. 

Na prestação da tutela jurisdicional, por exemplo, algumas varas judiciárias estão utilizando o Legal Design como forma de tornar as sentenças mais compreensíveis aos réus, facilitando assim o seu cumprimento. Em alguns escritórios de advocacia, advogados estão usando o Legal Design para tornar a compreensão de contratos mais simples, facilitando assim a negociação entre as partes. 

Vale destacar que o Legal Design não se confunde com o Visual Law. Embora em algumas das suas aplicações o Legal Design utiliza dos elementos visuais para facilitar a compreensão, isso não significa que a abordagem se resume à traduzir conteúdo jurídico de forma visual. 

O “Visual Law Project” foi um projeto pioneiro da Yale Law School que usa a tradução de conteúdo através de elementos visuais como forma de promover a educação jurídica. Embora sim, esse seja um projeto que aplica os preceitos do Legal Design, ele se resume apenas a melhorar a comunicação e a compreensão do Direito através de representações gráficas.

O Legal Design possui uma aplicação mais ampla, ou seja, seu objetivo é encontrar falhas, obstáculos e problemas que tornam um produto ou serviços menos acessível para o seu público.  

Como aplicar o Legal Design no dia a dia da advocacia

Em um primeiro momento, para muitos advogados, o conceito pode parecer algo bastante abstrato. Contudo, quando se traduz o Legal Design no dia a dia da advocacia fica mais simples entender do que se trata. Abaixo separamos alguns exemplos de como o advogado pode utilizar o Legal Design no seu escritório de advocacia, visando melhores resultados.

Criação de rotinas de trabalho

A elaboração de uma peça jurídica, a redação de um contrato ou mesmo de um relatório passam por diversas etapas até que haja a concretização do serviço a ser entregue para o cliente. Nesse cenário, inúmeras atividades precisam ser realizadas tanto pelo advogado quanto pela sua equipe. Além disso, o advogado precisa conciliar tarefas que são próprias da sua rotina com outras do escritório, como o atendimento de clientes, revisão de faturas, participação em audiências, entre outras, que servem de suporte para que o escritório funcione. 

As atividades que envolvem o dia a dia de um escritório podem ou não estar integradas com a prestação de serviços. Mas, independentemente disso, para que todas elas sejam executadas é fundamental que existam rotinas de trabalho previamente estabelecidas. As rotinas de trabalho servem não apenas para organizar o dia a dia do advogado, são elas que permitem que o escritório funcione independentemente dele. Com a migração da advocacia para o ambiente digital, especialmente com a chegada da pandemia, ter e criar essas rotinas se tornou algo imprescindível para que escritórios e profissionais continuassem suas atividades a distância. 

O Legal Design é uma boa abordagem para quem precisa criar rotinas de trabalho mais sólidas dentro do escritório, ou para aqueles advogados que não contam com uma. Identificando problemas na comunicação, na organização e até no modo como o escritório opera é possível ajustar rotinas mais eficientes e produtivas que estão alinhadas com todo o time. 

Melhoria na comunicação com o cliente

Muitos advogados já perceberam que a melhor forma de fidelizar o cliente e aumentar a cartela é melhorando o atendimento. A eficiência na prestação de suporte somada a uma boa experiência são as chaves do sucesso de muitos escritórios. Porém, como conciliar o atendimento personalizado e eficiente com uma rotina atribulada. Essa é a questão que muitos advogados não conseguem resolver.

Além de usar recursos tecnológicos, como os chatbots, por exemplo, o advogado pode automatizar partes do atendimento, que evitam o desperdício de tempo na sua rotina, sem que isso implique na insatisfação do cliente. Para mapear o atendimento e criar soluções inteligentes, nada melhor do que o Legal Design que ajuda a pensar todo a jornada do cliente e potenciais soluções que podem ser oferecidas rapidamente, sem a necessidade do contato direto com o advogado. 

Compreensão dos serviços jurídicos

Muitos clientes ficam distantes dos seus casos simplesmente porque não os compreendem. Sim, o Direito é técnico e por isso, muitas vezes ele se torna inacessível para quem é leigo. Mesmo que muitos advogados tenham abdicado do juridiquês, a verdade é que a compreensão de conceitos simples como o duplo grau de jurisdição, por exemplo, pode ser algo complexo no universo do cliente. 

Com o Legal Design é possível trazer uma compreensão melhor do cliente acerca dos serviços jurídicos. Esse tipo de abordagem auxilia que o cliente compreenda o valor daquilo que recebe e, naturalmente, passe a reconhecer mais o escritório. 

Iniciativas como essa minimizam a inadimplência, fidelizam o cliente e promovem uma significativa melhoria no relacionamento do advogado ou seu escritório com o mercado. 

Em um mercado onde a inovação vem se tornando uma regra para enfrentar a concorrência, apostar no Legal Design para advogados é um bom caminho para se diferenciar e também aprimorar o escritório em diversos aspectos. 

Você acha interessante a ideia de Legal Design para advogados? Veja também as principais tendências para o mercado jurídico em 2021. 

*Artigo escrito em coautoria com Helga Lutzoff Bevilacqua

DEIXE UMA RESPOSTA