Marco Aurélio nega pedidos de prisão preventiva como substituta de condução coercitiva

91
Para ministro, prisão preventiva não pode substituir condução coercitiva. Créditos: Artisteer | iStock O ministro Marco Aurélio, do STF, entendeu que a Procuradoria-Geral da República estava tentando usar a prisão preventiva como substituta da condução coercitiva nas diligências de busca e apreensão nos endereços do senador Aécio Neves (PSDB-MG), de sua irmã Andréia, e dos deputados Paulinho da Força (SD-SP), Cristiane Brasil (PTB-RJ) e Benito Gama (PTB-BA). Para ele, foi uma tentativa de forçar Aécio a dar depoimento, o que é inconstitucional. Ao negar os pedidos de prisão temporária, o relator pontuou que, “tendo em vista não agasalhar a ordem jurídica a automaticidade da prisão, impróprio é cogitar da custódia a partir da simples gravidade dos fatos apurados”. E entendeu que a liberdade de Aécio não representa risco para a ordem pública. Os parlamentares são acusados de receber propina de R$ 128 milhões do Grupo J&F entre 2014 e 2017. As informações são provenientes de delações de Joesley Batista e Ricardo Saud. Aécio teria negociado, junto ao governo de Minas, a restituição de créditos de ICMS de empresas do grupo J&F, que controla a JBS, em troca de propina. Ele teria ganhado mesadas de R$ 54 mil por 17 meses, entre

Este conteúdo é restrito para usuários cadastrados do site e é GRÁTIS. Cadastre-se GRATUITAMENTE e tenha acesso já ao conteúdo. Se já for cadastrado, faça o login. Para novos usuários basta preencher o cadastro.

Login de usuários cadastrados
   
Cadastro de Novo Usuário
*Required field