Segurada do INSS com transtorno psiquiátrico tem restabelecido o auxílio-doença interrompido indevidamente

Data:

CTPS - INSS - modelo de petição
Créditos: rafapress / Depositphotos

Uma segurada do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) recorreu ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) pleiteando o restabelecimento do auxílio-doença, a partir do dia posterior ao encerramento indevido do seu benefício de auxílio-doença anterior. A Primeira Turma da Corte deu provimento ao recurso de apelação, reformando a decisão de primeira instância.

A demandante ajuizou a demanda judicial em 24 de setembro de 2021 pugnando pelo restabelecimento do benefício de auxílio-doença que recebia e foi interrompido em 15 de janeiro de 2020, ou a concessão de aposentadoria por invalidez.

Segundo o laudo pericial, realizado em 25 de novembro de 2021, a parte autora, então com 57 anos de idade, afirmou ter exercido as funções de empregada doméstica e faxineira, até meados do ano de 2014, quando deixou de trabalhar em razão de um quadro depressivo e, desde lá, encontra-se em tratamento especializado.

A perícia ressaltou, também, que ficou comprovado, em maio de 2021, que ela possuía Transtorno Esquizoafetivo do tipo depressivo, Hipertensão Arterial, Hipotireoidismo e Fibromialgia, sem nexo-técnico-ocupacional, “havendo incapacidade laborativa total e temporária, com data de início fixada em maio de 2021”, e a partir disso, foi estimado prazo de 6 (seis) meses para a sua recuperação.

Incapacidade para o trabalho

De acordo com a relatora do caso, a desembargadora federal Maura Moraes Tayer, o perito judicial de fato indicou a data de início da incapacidade em momento posterior ao da cessação do benefício anterior. No entanto, segundo o relatório médico emitido, ainda em maio de 2021, “a parte autora já estava acometida de quadro clínico psiquiátrico crônico, grave, incapacitante, irreversível, compatível com transtorno esquizofrênico – tipo depressivo, com episódios de agudização, necessitando de internação hospitalar, sendo o prognóstico reservado”.

Diante disso, a desembargadora federal verificou que a patologia que acomete a segurada vem sendo amplamente discutida desde 2006, “com reconhecimento de incapacidade laborativa em diversas ocasiões, tendo recebido benefício por incapacidade quase que ininterruptamente, no período de 14/07/2014 a 15/01/2020”.

Portanto, “os elementos dos autos permitem concluir que se trata de quadro patológico e incapacitante de longa data, impondo-se concluir, sem dúvida, que a parte autora já se encontrava incapacitada para o trabalho na data de cessação do auxílio-doença anterior, isto é, em 15/01/2020”.

Assim, a desembargadora federal destacou que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) entende que “havendo indevida cessação do auxílio-doença, o termo inicial do novo benefício deve ser fixado naquela data, em vista de se cuidar de mera restauração do direito”.

Com base nesse entendimento, o Colegiado da Primeira Turma do TRF1 reformou a decisão de primeiro grau e fixou o início do auxílio-doença para a data correspondente ao dia seguinte à data da indevida cassação do benefício anterior.

Processo: 1024339-45.2022.4.01.9999 - Acórdão

Data do julgamento: 17/11/2022

Data da publicação: 12/12/2022

RF/CB

(Com informações da Assessoria de Comunicação Social do Tribunal Regional Federal da 1ª Região - TRF1)

INSS - Modelo de peticão
Créditos: robertohunger / Depositphotos

EMENTA

APELAÇÃO CÍVEL (198): 1024339-45.2022.4.01.9999

APELANTE: MARIA DAS DORES DE PAULA ARAUJO

Advogados do(a) APELANTE: JESSICA OLIVEIRA BERNARDES - MG169921, MARCELO HENRIQUE MONTEIRO TEIXEIRA - MG113170, PATRICIA ALVES PACHECO - MG147239

APELADO: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

EMENTA

PREVIDENCIÁRIO. AUXÍLIO-DOENÇA. RESTABELECIMENTO. TERMO INICIAL. DATA DA CESSAÇÃO INDEVIDA DO BENEFÍCIO ANTERIOR. PROVA DE INCAPACIDADE. DATA APONTADA NO LAUDO PERICIAL. ALTERAÇÃO COM BASE EM OUTROS ELEMENTOS DOS AUTOS. POSSIBILIDADE. RECURSO PROVIDO.

1. Dispõe o art. 60 e seu parágrafo primeiro, da Lei nº 8.213/91, que o auxílio-doença deve ser concedido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início da incapacidade e enquanto ele permanecer incapaz.

2. O benefício de auxílio-doença deve ser restabelecido havendo elementos nos autos suficientes para a comprovação de que o segurado estava incapacitado na data cessação do benefício anterior.

3. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça se firmou no sentido de que, havendo indevida cessação do auxílio-doença, o termo inicial do novo benefício deve ser fixado naquela data, em vista de se cuidar de mera restauração do direito. Precedentes do Superior Tribunal de Justiça.

4. A correção monetária e os juros de mora devem observar o que foi decidido pelo Supremo Tribunal Federal no RE 870.947 (tema 810) e pelo Superior Tribunal de Justiça ao julgar o REsp 1.495.146/MG (Tema 905).

5. Apelação interposta pela parte autora provida para, reformando parcialmente a sentença, fixar o termo inicial do benefício de auxílio-doença no dia posterior à data da indevida cessação do benefício anterior. Fixação, de ofício, dos índices de correção monetária e juros de mora.

A C Ó R D Ã O

Decide a Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, por unanimidade, dar provimento à apelação interposta pela parte autora, nos termos do voto da relatora.

Brasília, 09 de novembro de 2022.

Desembargadora Federal MAURA MORAES TAYER
Relatora

Instituto Nacional de Seguro Social - INSS
Créditos: Piter2121
/ Depositphotos

 

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Como funciona a obtenção de múltiplas cidadanias?

A obtenção de múltiplas cidadanias pode ocorrer de várias maneiras, dependendo das leis e regulamentos de cada país envolvido. Aqui está uma visão geral dos principais métodos pelos quais uma pessoa pode adquirir mais de uma cidadania:

Uma pessoa pode ter diversos passaportes e nacionalidades?

Sim, uma pessoa pode possuir diversos passaportes e nacionalidades, em um arranjo conhecido como dupla ou múltipla cidadania. Isso significa que ela é reconhecida como cidadã por mais de um país e pode usufruir dos direitos e benefícios associados a cada uma das suas nacionalidades.

O que é o NIF em Portugal?

O NIF (Número de Identificação Fiscal) em Portugal é um número único atribuído aos contribuintes para efeitos de tributação e outras atividades administrativas relacionadas com as finanças do Estado. Este número é essencial para a identificação dos cidadãos nas suas relações com a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) de Portugal, bem como em diversas transações financeiras e legais no país.

TJSP mantém condenação de acusados que aplicavam golpe em locadora de veículos

A 7ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão da 13ª Vara Criminal da Capital, sob a juíza Erika Fernandes, que condenou três homens por associação criminosa, com um deles também condenado por estelionato, relacionado a um golpe praticado contra uma locadora de veículos. As penas impostas, variando entre um e dois anos de reclusão, foram convertidas em medidas alternativas, incluindo prestação pecuniária e serviços comunitários.